“Queria ele morto”, diz mãe presa por assassinar filho de 5 anos e proibir ele de comer por dias

O caso aconteceu em Portland nos Estados Unidos, a mãe do menino, Chelsea Crossland, também está sendo acusada de abusar sexualmente de outra criança

Resumo da Notícia

  • Uma mulher foi presa por matar o filho de 5 anos
  • Segundo informações Chelsea Crossland proibiu o filho de comer por dias
  • O pai da criança contou que a mãe desejava que o filho morresse

Documentos do tribunal de Portland, nos Estados Unidos, revelam que uma mãe acusada de assassinar seu filho de 5 anos “puniu” o menino retendo comida por dias a fio. A mãe também teria admitido ao pai da criança que “desejava que (o filho) estivesse morto”.

-Publicidade-

Chelsea Crossland, 27, de Portland, enfrenta acusações de assassinato e negligência de um dependente em relação à morte de seu filho Christian Crossland. Ela também enfrenta uma acusação separada de abuso sexual infantil, um crime de nível 1, em relação a um incidente entre Crossland e uma menina de 9 anos.

De acordo com documentos judiciais recém obtidos pela Fox 59, a polícia foi chamada à casa da mãe no quarteirão 600 da ‘S. Western Avenue’ em 24 de março, depois que ela relatou que seu filho havia caído no chão e não respondia. No local, os investigadores notaram que Christian estava gravemente desnutrido e tinha vários hematomas e contusões em seu corpo, além de ferimentos no rosto.

A mãe negou comida para o filho de 5 anos por dias
A mãe negou comida para o filho de 5 anos por dias (Foto: Getty Images)

O menino estava usando apenas uma fralda, de acordo com o relatório, e a casa estava em um estado descuidado e imundo. Uma autópsia foi realizada na criança falecida, que revelou a causa da morte de Christian como complicações de traumatismo contundente na cabeça e na cavidade oral. A autópsia descobriu ainda que Christian estava emaciado e tinha várias escoriações.

Também foram descobertas evidências de que a criança “não conseguiu prosperar” e que estava desnutrida e desidratada. De acordo com os documentos do tribunal, a polícia falou com a irmã mais velha de Christian, que disse aos investigadores que sua mãe havia “espancado e estrangulado” o menino com as mãos e outros objetos. Ela também disse à polícia que sua mãe “puniria” o menino retendo comida por “dias de cada vez”.

De acordo com os documentos, Chelsea é acusada de não chamar imediatamente os serviços de emergência e, em vez disso, discutir a eliminação do corpo de Christian. A polícia conversou com o pai da criança, de acordo com as conclusões do tribunal, onde ele teria revelado que a mãe havia expressado anteriormente o desejo de que Christian estivesse morto.

No decorrer da investigação, a polícia também descobriu testemunhos em que uma menina de 9 anos disse à polícia que a mulher havia abusado sexualmente dela dos 7 aos 9 anos. Chelsea Crossland foi presa em 30 de março. A investigação sobre ela foi conduzida pela Polícia Estadual de Indiana com a assistência do Departamento de Polícia de Portland, do Departamento de Serviços Infantis de Indiana, do Gabinete do Legista do Condado de Jay e do Gabinete do Procurador do Condado de Jay.