Sempre alerta: menina perde a fala e os movimentos após se afogar mesmo usando boia infantil

Gabby, estava se divertindo com a família em um dia de verão, quando o inesperado aconteceu. A menina de 4 anos, que se afogou mesmo usando boias de braço, hoje não consegue falar ou andar. Conheça essa história emocionante!

Resumo da Notícia

  • Menina de 4 anos se afoga em piscina mesmo usando boias de braço
  • A criança acreditou que estava segura com as boias
  • Sofreu com danos irreversíveis no cérebro que dificultam na fala e nos movimentos

Era mais um dia de verão para família Kozuch, aproveitando o calor para passar a tarde brincando na piscina. Gabby, de 4 anos, estava se divertindo na água mesmo sem saber nadar, pois com as boias de braço ela e seus pais acreditavam que ela estaria segura. No entanto, o final desse dia foi trágico após a menina afundar e não conseguir voltar mais sozinha.

Foto minutos antes de Gabby se afogar na piscina (Foto: Reprodução/ TheSun)

Tudo começou quando a garota estava tentando mostrar para seu pai, Tim, o quanto ela estava independente na água mesmo sem saber se manter na superfície sem ajuda das boias. Mas, quando Tim virou de costas por 5 minutos, Gabby pulou na piscina e foi parar no fundo, onde não teve forças suficiente para subir de volta. A menina se afogou por mais de 10 minutos , quando foi retirada estava desacordada.

De acordo com informações do TheSun, ela foi levada para emergência e ficou em coma no hospital por muitos dias. Ela conseguiu recuperar a consciência, mas as sequelas do episódio ficaram para sempre. A menina sofreu danos graves e irreversíveis no cérebro e agora não consegue falar, andar ou comer sem ajuda. Mesmo com diversas sessões de fisioterapia e tratamentos intensos para tentar recuperar os movimentos, os médicos acreditam que o progresso nas condições dela, são quase de 0% de chance.

Gabby não consegue falar, comer ou andar após o acidente (Foto: Reprodução/ TheSun)

“Eu quero que outros pais saibam, que as boias infantis podem dar a falsa sensação de segurança para as crianças. Minha filha honestamente achou que poderia nadar e estava segura, ela só queria impressionar o pai. E agora ela está tão doente”, contou Paula, mãe de Gabby. “Eu lembro as últimas palavras dela. Ela disse que me amava e agora nunca mais vou poder escutar isso de novo”, contou ela, com muita tristeza.