“Tiraram de mim meu maior amor”, lamenta mãe de menino que foi morto pelo próprio pai

Johan, de apenas 10 anos, morreu baleado pelo próprio pai, por causa de uma briga entre os pais sobre a guarda da criança. O crime ocorreu na véspera do Dia das Mães, em um hotel na zona norte de São Paulo

Resumo da Notícia

  • Johan, de apenas 10 anos, morreu baleado pelo próprio pai
  • O casal estava brigando na justiça por causa da guarda do menino, e a mãe venceu
  • O crime ocorreu na véspera do Dia das Mães, em um hotel na zona norte de São Paulo

Um menino de apenas 10 anos foi morto a tiros pelo próprio pai, por causa de uma briga entre os pais sobre a guarda da criança. O crime ocorreu na véspera do Dia das Mães, em um hotel na zona norte de São Paulo. “Tiraram de mim o meu maior amor, tiraram parte do meu coração. Um anjo você já era, agora virou uma estrelinha”, escreveu a mãe do garoto em uma publicação nas redes sociais.

-Publicidade-

Após assassinar o filho, Johan Nijou Pelepenko,  devido a um desentendimento motivado pela guarda da criança, o ex-companheiro de Ana, Jhoathan João Pelepenko, tirou a própria vida. A publicação feita pela mãe do menino gerou comoção entre amigos, familiares e conhecidos, que lamentaram o caso.

“Estou despedaçada com a sua perda, que Deus te dê forças.” “Que a paz alcance vocês de algum modo.” “Como mãe também estou com o coração dilacerado com essa notícia.” “Não tem palavras que expressem a nossa tristeza e a vontade de fazer qualquer coisa para amenizar a sua dor”, relataram alguns internautas.

O pai se matou depois de ter matado o próprio filho
O pai se matou depois de ter matado o próprio filho (Foto: Reprodução/R7)

O ex-casal brigava na Justiça pela guarda da criança, que foi vencida por Ana. Até então, os dois dividiam a guarda do filho. Antes de cometer suicídio, o homem deixou uma carta confirmando o motivo do crime. “O sonho de seu pai morre com a mãe”, escreveu Jhoathan.

Na publicação feita na segunda-feira (9), a mãe de Johan fez um carrossel de fotos. A primeira era uma em preto e branco e informava o luto, as demais eram fotografias do menino sorrindo. “Te amarei eternamente, meu amor, meu bebê, meu Johan”, finalizou.

No sábado, o pai do menino ligou para a mãe pedindo que visse o garoto na véspera do Dia das Mães e que depois o entregaria para ela. Ana arrumou as coisas de Johan e o entregou para o pai, horas depois Jhoathan ligou para a ex-companheira ameaçando matar o filho se ela não voltasse com a guarda compartilhada.

Preocupada com as ameaças, a mulher entrou em contato com a recepção do hotel onde o ex-marido estava hospedado com Johan e pediu ao recepcionista que checasse o quarto dos familiares. Ignorada pelo funcionário, a mãe da criança acionou a Polícia Militar para averiguar as condições do filho.

Os policiais pediram ao recepcionista do hotel que entrasse em contato com o quarto dos hóspedes. Sem sucesso, os agentes se deslocaram até o dormitório e arrombaram a porta. No aposento, os agentes encontraram as vítimas atingidas pelos disparos. Segundo a PM, o homem atirou contra o próprio filho e, em seguida, contra si. A morte da criança e do atirador foi constatada ainda no local.