Criança

Uma criança ou adolescente morre a cada 60 minutos por arma de fogo no Brasil

O levantamento foi feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

Foram registradas 9.517 mortes entre crianças e adolescentes no país em 2016 por armas de fogo (Foto: iStock)

A cada 60 minutos, uma criança ou adolescente morre por arma de fogo no Brasil. Os dados fazem parte de um levantamento divulgado hoje (20) pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Nas últimas duas décadas, mais de 145 mil jovens com até 19 anos morreram em consequência de disparos acidentais ou intencionais, como em casos de homicídio e suicídio.

Segundo o estudo, foram registradas 9.517 mortes entre crianças e adolescentes no país em 2016. O número é praticamente o dobro do identificado há 20 anos – 4.846 casos em 1997 – e representa o pico da série histórica. O levantamento também mostra que, a cada duas horas, uma criança ou adolescente dá entrada em um hospital da rede pública de saúde com ferimento por disparo de arma de fogo.

As principais causas de morte por arma de fogo entre crianças e adolescentes estão relacionadas a homicídios (94%), seguidos de intenções indeterminadas (4%), suicídios (2%) e acidentes (1%). No caso das internações, as tentativas de homicídio continuam na liderança, mas o volume de acidentes envolvendo armas de fogo também é muito expressivo: 26%.

(Foto: Getty Images)

“O país precisa de medidas efetivas para aumentar a segurança das nossas crianças e adolescentes, e também dos profissionais que os acompanham nas escolas, nas unidades de saúde, nos centros desportivos e outras instalações do tipo”, diz a Dra. Luciana Rodrigues Silva, presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria. Para ela, as autoridades precisam assegurem a paz e a integridade dos jovens e daqueles que cuidam de seu bem-estar.

Arma não é brinquedo

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2016, vinte crianças de zero a 14 anos morreram vítimas de acidentes com armas de fogo e, em 2017, 152 ficaram feridas. O desenvolvimento da criança influencia diretamente para que ela esteja mais exposta a este tipo de acidente.

Segundo a ONG Criança Segura, com 3 anos de idade, as crianças são fortes o suficiente para puxar o gatilho de muitos revólveres e até 8 anos também não conseguem distinguir entre armas reais e de brinquedo ou entender completamente as consequências de suas ações.

Além disso, até os 10 anos, seu filho não tem capacidade de julgar os riscos, de saber como segurar uma arma e, consequentemente, seguir regras de segurança. Confira dicas de prevenção da ONG Criança Segura:

– De preferência, não tenha armas. A menos que sua profissão exija esse tipo de equipamento, desarme-se

– Se você possui uma arma, entenda o risco que está correndo e informe-se sobre as medidas de segurança necessárias para evitar problemas sérios

– Sempre guarde as armas de fogo descarregadas, travadas e fora do alcance das crianças

– Guarde as munições também em local trancado, separado da arma e longe do alcance das crianças

– Mantenha as chaves e as combinações da tranca ou cadeado escondidas em lugares separados das armas e munições

– Faça um curso de uso, manutenção e armazenamento seguro de armas

– Enfatize o perigo das armas para as crianças e explique que elas não são brinquedos

– Ensine as crianças a nunca tocarem em uma arma e a informarem a um adulto caso encontrem uma ou vejam outra criança com esse equipamento.

Fonte: EBC

Leia também:

Uma semana de Suzano: é possível prevenir tragédias e proteger seu filho?

5 vezes que seu filho vai (ou deveria) enfrentar a frustração

Mãe e tia se passam por criança de 11 anos para conseguir denunciar pedófilo