Código da Felicidade: conheça a forma que a mãe do Super Chico encontrou para fazer a família sorrir mais

Depois de perceber que passaria por algumas dificuldades com o filho, a família decidiu que tornaria todo o processo mais leve. Advogada como é, o conjunto de regras que os ajuda a enfrentar as batalhas surgiu naturalmente

Resumo da Notícia

  • Mãe cria 'Código da Felicidade'
  • Ela decidiu criá-lo depois de perceber que precisaria enfrentar uma série de coisas com o 3° filho
  • Entenda mais sobre o código

Daniela Guedes não sabia que teria um filho com Síndrome de Down até o nascimento do bebê. Durante a gestação, a família descobriu que a criança tinha uma disfunção renal e a mãe de Clara, 13 anos, Bia, 8 anos e Francisco, 3 anos, chegou a passar por uma cirurgia intrauterina para desobstrução da uretra do bebê. Mas nenhum sinal da Síndrome de Down. Foi no dia do nascimento que os médicos e a mãe perceberam que Francisco tinha algumas características diferentes, segundo ela, relacionadas ao esteriótipo do portadores dessa síndrome. “No dia do nascimento mesmo, ao conhecê-lo, perguntei sobre essas diferenças e cogitei que seria Síndrome de Down. Os médicos disseram que sim, que a possibilidade era grande! Disse na hora para meu marido e para meu cunhado, que é médico: “tudo bem, vamos em frente.” , relembra.

-Publicidade-
Família cria ‘Código da Felicidade’ (Foto: reprodução Facebook)

O diagnóstico só veio quando Francisco – ou como ele é mais conhecido, Super Chico – completou dois meses. Antes disso, no entanto, Daniela já havia conversado com o marido, Carlos Alberto Bombini, sobre a rotina com o novo membro da família. “Conversei com meu marido no dia seguinte ao nascimento do Chico e combinamos: levaremos a vida de forma leve e feliz e a rotina das meninas tem que continuar igual”, explica. Advogada como é, a mãe logo encontrou uma forma de garantir essa felicidade no dia-a-dia: criando o ‘Código da Felicidade‘.

Com artigos claros, o código foi criado por Daniela pouco tempo após o nascimento do filho. Assim, a felicidade, que sempre foi presente na casa da família, passou a se tornar ainda mais palpável. Com regras como “É livre a distribuição de sorrisos“, a mãe encontrou uma forma leve e divertida de passar por todos os problemas que viria a enfrentar. As filhas mais velhas? Entraram na onda, claro! “As meninas dão risada quando falo do Código, mas seguem, sim, porque existe o exemplo dentro de casa”.

-Publicidade-
Código da Felicidade (Foto: Daniela Guedes / arquivo pessoal)

O Código da Felicidade foi totalmente construído por Daniela, com base na Constituição Federal de 88. “Sentei um dia no sofá de casa com a Constituição em mãos, e fiz pesquisas na internet sobre a felicidade, sobre regras para ser feliz e aprimorei o que tinha em mente”. O resultado saiu cerca de meia hora depois. “Em casa optamos pelo caminho da felicidade. Claro que temos dias mais tensos e complicados, mas sempre vai ter um para lembrar que optamos por levar tudo de forma mais suave. Sempre um ajudando o outro”, conta.

Super-Chico

A criança é um fenômeno nas redes sociais (Foto: reprodução Instagram / @daniguedesbombini_superchico)

Você provavelmente já ouviu falar sobre o bebê que motivou a criação do Código da Felicidade. Com mais de 189 mil seguidores no Instagram, Francisco, ou melhor, Super-Chico, encanta os internautas com as histórias de superação. Recentemente, o bebê mostrou novamente a força que tem e conseguiu vencer mais uma batalha! Dessa vez contra o coronavírus. Os internautas e jornais de todo o Brasil comemoraram junto quando ele saiu da UTI após 13 dias internado.

O menino, que nasceu prematuro, já passou por sete cirurgias devido a problemas renais, cardíacos e hipotireoidismo, além de uma displasia pulmonar herdada pelos três meses de entubação. A página de sucesso nas redes sociais, aliás, foi criada pela mãe para atualizar os amigos e familiares sobre a saúde do bebê. “Não estava conseguindo dar conta de responder às centenas de mensagens que recebia diariamente. Como Chico, após nascer, ainda permaneceu na UTI por 6 meses, passei a dar boletins diários sobre a saúde dele nas redes sociais, e as pessoas passaram a vibrar com as melhoras dele; algumas ainda diziam que a luta de Chico davam força para continuarem, que Chico era o “remedinho” diário delas.  Após sua saída do hospital, ele foi para “home care”, permanecendo até hoje em internação domiciliar. Continuei com nosso dia-a-dia e Chico foi conquistando um número cada vez maior de pessoas”, relembra.

Daniela e a família não tinham ideia que as vitórias do garoto iriam tomar a proporção que tomaram. “Não esperava, porque era tudo muito natural, era o nosso dia-a-dia. Eu ainda não tinha a consciência do quanto a internet ia longe, era globalizada, era infinita na verdade. Percebi que algumas pessoas tinham uma carência de sentimentos bons e Chico trazia esse conforto à elas”.

A tal da felicidade

A tal da felicidade! (Foto: reprodução Facebook)

Mas o que é, afinal, essa tal de felicidade? Para Daniela, felicidade é “saber que todos que convivem com você te amam”. A experiência tão singular da mãe com essa palavra tão forte será reforçada no 9° Seminário Pais&Filhos, intitulado “A tal da felicidade”. “As pessoas precisam falar mais sobre o que traz felicidade para elas, principalmente em um período com essa energia tão esquisita”, reforça

-Publicidade-