Fobia escolar: Saiba como identificar se seu filho sofre do problema

Você pode ajudar e tornar o período de volta às aulas mais tranquilo

fobia escolar
Foto: Shutterstock

Na véspera da volta às aulas, algumas crianças podem demonstrar bastante empolgação e felicidade para reencontrar os amigos, conhecer os novos professores e aprender coisas novas. Porém, para outras, este momento pode ser um problema, que vai muito além da preguiça de acordar cedo. Você já ouviu falar da fobia escolar?

-Publicidade-

Leia também

Escolha da primeira escola: saiba no que prestar atenção

-Publicidade-

Como preparar seu filho – e a família – para a mudança de escola no meio do ano

Se, antes de voltar à escola, seu filho apresenta um medo exagerado e que parece não ter justificativa, pode ser que ele esteja passando por este transtorno de ansiedade. De acordo com Myriam Albers, psicóloga da Clínica Maia, mãe de Lorena. A fobia escolar é um problema mais comum nos primeiros anos da educação infantil, quando bate a angústia da separação com os pais e o medo do abandono.

Mas ela também pode acontecer com crianças mais velhas, principalmente quando estão passando por períodos de mudanças na família ou em casa, em situações que mexem com o emocional, bullying, problemas de aprendizagem e até mesmo mudança de colégio.

Escola ou Família: quem escolhe quem?

Como desconfiar

Os sintomas podem ocorrer antes mesmo da chegada à escola. Dor de barriga ao acordar,  vômitos, náuseas, diarreias, dores de cabeça, crises de choro e alterações no sono são alguns dos indicativos mais frequentes.

“Quando o problema acontece, a criança passa por uma crise de ansiedade e um medo incontrolável. O sentimento de desamparo faz com que a criança não consiga ver a realidade da situação”, explica Myriam. É importante estar atento, pois a fobia escolar pode causar outros medos, repetências, dificuldades de socialização com os colegas e baixa autoestima.

fobia escolar 2
Foto: Shutterstock

O que você pode fazer

Para ajudar o seu filho, é necessária uma aproximação ainda maior entre vocês dois: Tenha uma conversa franca para entender o processo e não menospreze os sentimentos. Segundo a especialista, é importante fazer e cumprir acordos como “você vai ficar na escola neste horário, mas logo em seguida vou te buscar” para passar segurança.

Por que meu filho se comporta diferente na escola e em casa?

Conhecer a sala de aula, os professores e o ambiente escolar são mais algumas das medidas que você pode tomar. Se você perceber que os acordos são feitos mas não surtem resultado ou que os sintomas começam a se acentuar e há o sofrimento psíquico, é hora de estreitar o relacionamento com a escola para saber se eles têm acompanhamento profissional para lidar com estes casos.

Dependendo da situação, terapia cognitiva e acompanhamento médico com prescrição de medicamentos podem ser necessários. Por isso, não deixe de procurar ajuda. Myriam ainda ressalta que, mesmo recorrendo à ajuda da escola, você perceber que nada muda e que a criança realmente não consegue se adaptar, talvez seja a hora de procurar um novo colégio.

Mãe indica: 5 passeios com as crianças para fazer nas férias em SP

Existe vida após o primeiro dia de aula?

“A maior aula do mundo”: conheça o plano de aulas universal da ONU para crianças

    -Publicidade-