Família

10 passos para deixar a sua foto do celular com cara de profissional

Depois desse treinamento é só praticar bastante

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

*Por Eline Lee, certificada em Fotografia Instrumental pela Escola Panamericana de Artes, mãe de Eduardo e nossa embaixadora

Tirar fotos é muito mais do que captar imagens. Queremos, na verdade, congelar aquele momento, inclusive as emoções que vivemos naquele instante. E, depois, quando revisitamos a foto, a gente consegue resgatar toda a história por trás daquela foto.

Quando as crianças chegam, então, temos também a necessidade de registrar cada passo, no fundo, sabemos como eles crescem rápido. Então, por que não caprichar? Talvez, você esteja pensando que capricha, sim, que coloca uma roupa linda, ajeita a faixa no cabelo… e que o seu bebê parece sempre lindo! Mas que tal ir além para que não seja só o seu bebê a salvar a foto? Acredite, para obter fotos melhores, você não precisa muito mais do que um pouco de cuidado principalmente antes do click. E com a prática é possível ter um montão de fotos lindas para recordar.

Dica 1: abuse da luz natural

Aquela da manhã e do final da tarde que produz um efeito mais suave. Que tal aproveitar o momento em que você leva o bebê para tomar sol? Mas não faça registros apenas dele dentro do carrinho. Se possível, leve uma toalha para ser esticada no chão (no gramado, por exemplo) e teste diferentes posições. E não estou falando apenas às posições do bebê, mas às suas! Fique bem rente ao chão e veja o resultado. Fique também em pé, mas tome cuidado para a sua sombra não cobrir a criança. Se o seu bebê já fica em pé, tente também registrá-lo de baixo para cima, incluindo o céu e as folhagens das árvores. Cuidado para que ele não fique contra a luz, a não ser que você queira produzir uma foto apenas da silhueta da criança.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Já em casa, abra as janelas e deixe a luz natural entrar. Se ainda assim, faltar luz, acenda as luzes da casa. Não conte apenas com o flash do celular. Aliás, só o use em casos extremos porque você não consegue prever o resultado, na maioria das vezes. Mais uma vez, cuidado com as sombras que se formam (do queixo sobre o pescoço, do chapéu sobre os olhos, de qualquer outro objeto sobre a criança). Acredite, você terá avançado metade do caminho apenas com este cuidado com a luz (e sombras).

Dica 2: tire vantagem da espontaneidade

Graças ao celular, somos capazes de fazer registros a todo o instante, dos momentos mais cotidianos até os principais marcos do bebê. Aliás, fazer um bom registro não é preparar cuidadosamente a criança. Alguns belos registros são aqueles que acontecem quando se menos espera, quando a criança está apenas agindo de forma natural, espontânea. Não é preciso chamá-la para foto, nem é necessário que ela olhe sempre direto para a lente.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

De fato, a espontaneidade é uma grande vantagem das fotos caseiras. Isso não quer dizer que você não deva ter os cuidados ao fazer os registros. Um ambiente muito poluído, um lençol amarrotado atrás, roupas penduradas na maçaneta da porta… não há espontaneidade que justifique. Simplesmente, ao perceber estes ruídos, livre-se deles da forma mais prática: empurre para um outro canto ou mude de ambiente para tirar a foto. E estará resolvido!

Dica 3: siga a regra dos terços

Há outras um pouco mais avançadas, mas aqui quero mesmo simplificar. A regra dos terços é uma teoria utilizada na hora de compor uma fotografia. Se caracteriza em dividir uma imagem em duas linhas horizontais e duas linhas verticais, em que os 4 pontos de interseção dessas 4 linhas são os pontos onde os nossos olhos têm maior atenção. Em alguns casos, manter o assunto principal da foto em algum desses pontos chamará mais a atenção. Por outro lado, um assunto centralizado não significa uma foto mais equilibrada.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Então, nada de centralizar bem no meio do quadro o seu objeto de interesse! Na prática, desloque um pouco para a esquerda ou para a direita do quadro, um pouco também para cima ou para baixo. Se houver uma linha de horizonte, tente mantê-la também um pouco acima ou um pouco abaixo, e não no meio.

Se a criança já anda ou corre, entendo que colocá-la dentro do quadro já seja um grande desafio. Neste caso, você terá um pouco mais de trabalho… Mas o recurso live que tem em alguns celulares poderá ser de grande ajuda.

Dica 4: experimente novos objetos de interesse

O assunto principal das suas fotos, sem dúvida, será seu filho. Mas ele não precisa ser o objeto de interesse de todos os seus registros. Um brinquedo predileto, um acessório frequente ou uma flor do seu jardim pode passar a ser o protagonista da foto enquanto o bebê ajuda a compor o quadro. Então, tente variar um pouco focando outro objeto na foto.

Partes do corpo do bebê também são dignos de registro. As dobrinhas, os pés em forma de bisnaguinha, as mãos delicadas… podem ser registrados separadamente. Mesmo o rosto pode ser fotografado em close, bem de pertinho. Os cortes no quadro serão propositais, neste caso. Ninguém poderá acusar você de ter cortado seu bebê nas fotos, espero.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Conselho importante: registre-se também! Além das selfies, também peça que outras pessoas tirem a sua foto com o bebê. Não seja apenas a fotógrafa da família, esteja presente nos registros. Sei que às vezes (quase todas as vezes) a gente se sente acima do peso, inchada, sem vontade… Lembre-se que no futuro, essas fotos serão a lembrança que o seu filho terá de você desta época. Então, ajeite os cabelos, a roupa, levante a autoestima… e permita-se registrar. Vale muito a pena, pode apostar.

Dica 5: movimente-se

Tirar foto de crianças requer uma boa disposição ou até mesmo, um bom condicionamento físico. Se você não quiser que o seu filho pareça um pirulito (com uma cabeça desproporcional ao corpo) em todas as fotos, você deve se agachar um pouco e manter o celular na vertical antes do clique. Desta forma, evitamos o que em fotografia chamamos de erro de perspectiva. Por outro lado, você pode e deve experimentar clicar seu filho de vários pontos de vista, de baixo para cima, de cima para baixo, a fim de obter imagens fora do comum.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Por outro lado, não conte com o zoom da câmera do celular porque ele é um zoom digital, muito diferente do zoom óptico de uma câmera semiprofissional. No zoom digital, a imagem é processada em um software interno, que simula a aproximação. Portanto é, na verdade, uma ampliação da foto e não uma aproximação. Com isso, as imagens perdem em definição. As lentes com capacidade de zoom óptico aproximam as imagens através de um jogo de lentes internas da câmera digital. Em função disso, o resultado tem menos chance de ser distorcido e tremido, ou seja, ela é aproximada de maneira real. O que fazer, então? Aproxime-se você mesma do seu filho e encontre o melhor posicionamento, antes do clique.

Dica 6: atenção ao foco

Preste atenção ao foco automático quando se aproximar demais do objeto de interesse (a criança, por exemplo). Veja se é possível corrigir o ponto a ser focado, caso a câmera do seu celular não o identifique de modo correto. Você pode alterar o ponto a ser focado segurando o dedo no objeto por cima do visor. Vale brincar focando outros pontos que não seja a criança e ver o resultado.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Dica 7: corrija a imagem após o click

Há ótimos aplicativos para correção de fotos. Mas eles não farão milagre! Por isso, o cuidado e a atenção antes do clique continuam válidos. Mas os aplicativos podem melhorar a iluminação, a cor, o contraste… Cuidado apenas para não exagerar e tornar a imagem muito artificial se a intenção não for essa. Uma boa correção na imagem melhora significativamente as fotos. Vale a pena aplicar ao menos nas fotos preferidas.

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Já filtros são outras ferramentas. E o resultado costuma não ficar tão natural. Se você gosta e faz uso, minha recomendação é que se guarde o original e poste uma cópia com o filtro. Talvez, depois, se você decidir imprimir a foto (seja para um porta-retrato ou um photobook), você prefira a foto original.

Dica 8: guarde cópias e seja organizada

Não acumule tudo no celular. Primeiramente, habitue-se a deletar as fotos que não ficaram boas. Depois, transfira as fotos do celular numa frequência definida, por exemplo, todo o início do mês. Por fim, tenha lugares seguros para armazenar as fotos. Computador, HD externo, na nuvem… Ou todos eles pois nenhum é de fato totalmente seguro. E de forma organizada! Sugiro criar uma pasta para as fotos e vídeos, depois subpastas por período, mais subpastas por assunto. Pense em como irá acessar estas fotos no futuro se elas não estiverem organizadas?

Conselho: separe as melhores fotos e imprima em um photobook. Desta forma, será mais fácil e prático relembrar os melhores momentos da família, simplesmente folheando as páginas. E você irá se surpreender ao ver seu filho curtindo ao se ver no álbum.

Dica 9: retrate os mesversários

A comemoração dos mesversários é uma prática cada vez mais recorrente. Afinal, no primeiro ano do bebê, ele muda significativamente a cada mês. Ao menos, é essa a percepção da família. Mesmo que você não faça uma festa literalmente, ainda vale a pena o registro nas datas.

A sugestão é retratar o bebê, se possível, sempre na mesma posição, a cada data dos mesversários. Aqui, acho que vale uma produção diferenciada, fugindo um pouco da espontaneidade. Então, vista o seu bebê com a melhor roupa, inclua os acessórios, eleja um local seguro e iluminado e faça o registro. Neste caso, não precisa pensar muito na composição da foto porque o único elemento será mesmo o bebê. A orientação no modo retrato (vertical) poderá ser mais adequada.

Outra atenção é em relação ao uso de chupetas. Se o seu bebê usa sempre o acessório, ao menos nas fotos em que você pretenda destacar seu rosto (como nas fotos dos mesversários), evite a chupeta. Claro, escolha um momento em que o bebê não esteja com sono ou com fome… Senão, não haverá colaboração. Mas isso você já sabe.

Ao final de um ano, você terá 12 fotos para comparar e perceber o quanto seu bebê cresceu!

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Dica 10: pratique!

A principal lente do fotógrafo profissional é a mesma que você possui: os olhos! É com eles que você vai identificar o quadro, a cena que se quer retratar. Pense nas emoções e sensações que se quer transmitir. Decida quais objetos se quer inserir no quadro. Pense, então, na disposição destes objetos e onde irá posicionar o objeto principal (lembre-se da regra dos terços). Atente-se à luz e a presença de sombras. Inspire, segure firme o celular (eu costumo prender a respiração para evitar tremer) e clique. Ufa! Parece muita coisa? Com a prática, isso tudo vai ocorrer em uma fração de segundo, a tempo de manter seu filho no quadro! Então, pratique bastante!

(Foto: arquivo pessoal)

(Foto: arquivo pessoal)

Leia também:

5 aplicativos seguros para armazenar suas fotos online

17 fotos impressionantes de partos cesáreas

Vem ter um troço com as fotos desses bebês com síndrome de Down