7 coisas que seu ginecologista gostaria que você soubesse – e ficasse de olho!

No turbilhão da maternidade (e da vida em geral), é fácil ignorar certos aspectos do seu bem-estar. Não deixe que esses fatos se percam no meio do tumulto

Resumo da Notícia

  • Coisas que você precisa conversar com seu ginecologista
  • Consultas médicas devem acontecer com frequência
  • Você precisa se preocupar com a saúde íntima mesmo se não está planejando engravidar

Durante a gravidez, naturalmente nos sintonizamos com nossas partes mais íntimas (carregar um bebê no útero faz esse tipo de coisa com as mulheres). Mas, enquanto o bebê está ocupado crescendo, a vagina não é mais a principal prioridade. Infelizmente, isso pode levar a oportunidades negligenciadas ou mal-entendidas – do tipo que tem o potencial de dificultar a vida em um momento em que já não é fácil o suficiente. Embora você não precise se tornar uma enciclopédia ambulante para cuidar bem de si mesma, vale a pena revisar esses itens essenciais.

-Publicidade-
Você precisa conversar com seu ginecologista (Foto: Getty Images)

1. É uma boa ideia ir no ginecologista mesmo se você não está planejando ficar grávida 

Hoje em dia, isso pode significar um compromisso pessoalmente ou por telefone ou videochamada, dependendo do seu histórico e necessidades de saúde. “Eu digo aos pacientes que eles são mais do que um colo de útero para mim”, brinca Kate White, médica, professora-associada de obstetrícia e ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Boston. “Você não perde seus seios, ovários ou colo de útero depois de ter um bebê. Você ainda pode precisar verificar seus órgãos”, diz a especialista. As recomendações atuais dizem que a maioria das mulheres precisam fazer exame de Papanicolau anualmente, e essa consulta é uma oportunidade de discutir questões como sexo e fertilidade e abordar vários aspectos de sua saúde.  “O ginecologista pode ser o único médico que você vê, por isso, se você precisar conversar sobre depressão ou até violência doméstica, você deve absolutamente tê-lo ao seu lado”, diz Sherry A. Ross, médica e autora do livro “She-Ology”.

2. Você não é jovem demais para fazer o exame de câncer de mama

Embora a Sociedade Americana do Câncer recomende que mulheres de 45 a 54 anos sejam examinadas anualmente (outras organizações recomendam iniciar exames anuais aos 40 anos), todas as mulheres devem saber que, dependendo do histórico da sua família, você pode ser elegível para a triagem de câncer – um teste que detecta mutações genéticas que podem torná-lo suscetível ao câncer de mama ou de ovário.”As mulheres que têm membros da família com câncer de mama, ovário, trompa de Falópio ou peritoneal podem estar em risco”, diz o Dr. Ross. Preste atenção às histórias médicas de sua mãe, irmãs e tias e avós maternas, principalmente se elas foram diagnosticadas com menos de 50 anos. Além disso, seu ginecologista fará um exame de mama a cada visita.

-Publicidade-

3. Você não precisa sofrer com vazamentos para o resto da vida

O trabalho de parto pode influenciar os músculos do assoalho pélvico, se você teve um parto normal ou uma cesariana. De fato, “apenas estar grávida e ter esse peso reduzido pode causar danos”, diz o Dr. White. Como resultado, depois de ter um bebê, driblar o escape de xixi ao espirrar, tossir ou rir é normal. No entanto, se persistir por mais de um ano, consulte seu médico. Uroginecologistas ou fisioterapeutas do assoalho pélvico podem ajudá-la a fortalecer seu assoalho pélvico, seja através de exercícios ou, se você já teve filhos, através de cirurgia.

Enquanto isso, os exercícios podem ajudar. Mas a especialista enfatiza que você precisa se comprometer com eles. “São necessários muitos representantes e tempo para ver a diferença”, diz ela. “Você não conseguirá braços definidos levantando pesos por duas semanas e, da mesma forma, sua vagina não ficará mais forte instantaneamente”. Comece com 10 repetições e trabalhe de cinco a 10 séries por dia. “Faça uma série pela manhã, em cada refeição e na hora de dormir. São cinco aqui!” Dr. White exemplifica.

4. É possível resolver a TPM

Antes de tentar algum truque para aliviar os sintomas, saiba que existem outras maneiras de acalmá-los. “Tomar cálcio e magnésio diariamente reduz os sintomas físicos e de humor da TPM em algumas mulheres; seu médico pode determinar se suplementos minerais para te ajudar. Combinar magnésio com um suplemento de vitamina B6 também pode ser benéfico”, diz Pari Ghodsi, M.D., ginecologista em Los Angeles. Outro ótimo remédio é o exercício. “Estudos mostraram que mulheres que se exercitam regularmente podem ter cólicas menstruais menos dolorosas”, ela acrescenta.

5. Infertilidade pode afetar qualquer mulher, mesmo se ela já teve um bebê antes

Enquanto engravidar é uma boa indicação do seu estado de fertilidade, o tempo avança e algumas coisas podem mudar. “Não existe uma era mágica em que a fertilidade diminui, mas sabemos que fica mais difícil engravidar quanto mais você envelhece”, diz White. “Ter um bebê é um ótimo sinal de que todos os seus órgãos genitais funcionam, mas isso não significa que a próxima gravidez acontecerá com a mesma facilidade”. De fato, um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, mostrou que, entre 2006 e 2010, mais de 3 milhões de mulheres que já tinham pelo menos um filho relataram dificuldade em engravidar mais tarde. “Não espere mais de seis meses tentando ativamente antes de conversar com seu médico”, recomenda o Dr. White.

6. Sexo não deve ser dolorido, mesmo para as novas mães

Você pode pensar que o sexo doloroso após o parto é inevitável – afinal, essa área já passou por muita coisa. Mas há uma palavra que nunca deve ser pronunciada no quarto: ‘ai!’. “A dor durante o sexo é um sinal de que algo está errado”, explica Dr. White. “Se você estiver sentindo algum tipo de desconforto vaginal durante o sexo, consulte seu médico.” Relações sexuais dolorosas podem apontar para uma série de problemas: um cisto rompido, endometriose ou até uma infecção do trato urinário. “Qualquer tipo de desconforto pélvico persistente, seja relacionado ao ciclo, sexo ou exercício, é importante para chamar a atenção do seu ginecologista”, diz ela.

7. Seu corpo não precisa de tempo para “limpar” o efeito do anticoncepcional para se tornar fértil novamente

Se você usa um método anticoncepcional, pode pensar que precisa esperar alguns meses para poder engravidar. Não. Todos os seus sistemas devem estar funcionando normalmente dentro de 48 horas após a interrupção da pílula ou a remoção do DIU. A exceção é a injeção, que pode atrasar a fertilidade por cerca de um ano. Embora você deva começar a tomar uma vitamina pré-natal, não se deixe enganar por produtos que alegam liberar seu corpo em preparação para a gravidez. “Você certamente não precisa de uma limpeza ou de um jejum quando parar de tomar hormônios”, Dr. White observa. “Seu cérebro voltará a produzir os hormônios necessários para preparar seu corpo para a gravidez depois que você parar de usar o controle de natalidade”.

O 9º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Tal da Felicidade está aí! Ele vai acontecer no dia 19 de agosto, completamente online e grátis. Serão oito horas de transmissão ao vivo e você pode acompanhar tudo neste link aqui. Esperamos por você!

-Publicidade-