Abril Laranja: a importância de denunciar maus-tratos contra animais e da adoção responsável

Para conscientizar sobre o mês de proteção animal, o Abril Laranja vem com o intuito de reforçar (ainda mais!) que devemos dar muito amor e carinho para os pets que, afinal, também são membros da família

Resumo da Notícia

  • O Abril Laranja passou a ser comemorado em 2006 e tem o intuito de prevenir os maus-tratos em animais
  • A guarda responsável é fundamental para o bem estar dos pets de estimação
  • Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia por maus-tratos em animais nos órgãos responsáveis

O Abril Laranja trás a importância dos cuidados com animais, que também tem sofrido um aumento no número de maus-tratos durante a pandemia, segundo a Polícia Militar Ambiental (PMA). Apenas em 2020, esse número cresceu 162,5%, trazendo a necessidade de se falar cada vez mais sobre o tema. O mês de conscientização surgiu em 2006 pela Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade Contra os Animais (ASPCA) e diversos lugares do mundo aderiram a campanha sobre a proteção dos pets.

-Publicidade-

Para o veterinário José Alcides da Fonseca Direito Filho, filho de José e Aurora, é preciso ficar de olho também em sinais que vão além da violência física, como a magreza excessiva por ausência de alimentação, sujos e com fisionomia triste e, inclusive, quando apresentam comportamentos de medo e agressividade. Apenas no estado de São Paulo, de acordo com a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA), houve um aumento de 81,5% nas denúncias de janeiro a julho de 2020, quando comparado ao mesmo período de 2019.

A guarda responsável é superimportante para o bem-estar do pet no acolhimento da família (Foto: Getty Images)

O que são os maus-tratos em animais?

Segundo a Lei Federal 1.095/2019, sancionada em 2020, é definido como maus-tratos: “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”. Além disso, a falta de cuidados pelo tutor, mesmo que não seja intencional, também pode entrar para a lista. A nova pena, que consta no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais, prevê reclusão de dois a cinco anos, além de multa e proibição da guarda do animal. Por isso, é fundamental aplicar a guarda responsável e trazer sempre o melhor para os pets de estimação, pois, afinal, eles também são da família! José comenta ainda que pode ser considerado maus-tratos quando o pet não possui:

  • Alimentação necessária diária e água a vontade
  • Se o animal não tem contato com a luz do sol e está preso
  • Falta de higiene do ambiente e espaço inadequado para comportá-lo
  • Mutilações desnecessárias (orelha e rabo)
  • Ausência de socorro quando o animal precisa ir ao veterinário

Como fazer a denúncia?

O veterinário explica que quando mais esse assunto for discutido, “mais aumenta a capacidade de conscientização coletiva da não propagação de maus-tratos em animais”. Por isso, o primeiro passo para denunciar é fazendo uma ligação gratuita ao Ibama (0800 618080), que irá direcionar o caso para a delegacia mais próxima.

Além disso, caso perceba a situação, qualquer pessoa pode telefonar para a Polícia Militar (190), Disque Denúncia Animal – disponível apenas na Grande São Paulo – (0800 600 6428), ou ainda entrar em contato com ONGs que podem auxiliar na denuncia e também no resgate do animal.

Adotei um animal que sofreu maus-tratos. Como agir?

O primeiro passo, segundo o veterinário, é sempre recebê-lo da melhor maneira possível. “Acredito que não existe uma fórmula mágica, mas é superimportante dar muito carinho e amor e entender, principalmente, que os animais que já passaram por esta situação são mais carentes. Além disso, os pets também são mais passíveis a traumas e podem apresentar medo ou agressividade. Por isso, é necessário ter paciência e lembrar que tudo se resolve com amor”.

Além disso, após o resgate ou adoção, a família deve sempre buscar pelo médico veterinário, que vai orientar sobre os cuidados com a saúde, aplicar as vacinas necessárias, indicar como a alimentação deve ser realizada e reforçar a importância de se ter um local adequado para recebê-lo.

Os animais de estimação merecem receber muito amor e carinho da família (Foto: Getty Images)

Quando também se tem crianças em casa, José reforça que o carinho também deve vir delas e que os pais possuem um papel superimportante na educação. “A criança precisa entender que o animal de estimação não é um brinquedo, e sim que eles possuem sentimentos e são fieis aos donos”.  Para fortalecer os vínculos entre seu filho e o pet, é possível apostar em algumas brincadeiras:

  • Escondendo os brinquedos: um verdadeiro caça ao tesouro! Para estimular a procura, esconda alguns brinquedos do pet e desafie ele e as crianças a encontrarem. A recompensa final pelo jogo pode ser um petisco saboroso para o animal de estimação e uma prenda especial para o seu filho!
  • Brincadeiras com a bolinha: outro clássico da diversão dos pets! Peça para seu filho escolher a bolinha preferida do animal de estimação e ensine-o a jogar para ele. Assim que o animal trazer o objeto, repita a atividade por mais algumas vezes. Eles vão adorar!
  • Esconde-esconde: uma das nossas preferidas! Ajude o seu filho a se esconder em algum cômodo da casa, mas cuidado para o pet não espiar! Peça que a criança chame-o algumas vezes e deixe o animal de estimação ficar curioso com a brincadeira. A gente tem certeza de que o dia dos dois vai ficar muito mais divertido! Veja outras brincadeiras que as crianças podem fazer com os animais de estimação.

Consultoria: Jose Alcides da Fonseca Direito Filho, (CRMV 26628), médico veterinário na clínica Vet Leopoldina