“Acabaram com a nossa família”, lamenta mãe de jovem morto a tiros no Rio Grande do Sul

Andriel Reis de apenas 24 anos deixou a família devastada com sua morte no dia 27 de março, o jovem estava voltando de um aniversário da prima quando foi baleado na há duas quadras de casa

Resumo da Notícia

  • Um jovem de apenas 24 anos morreu a tiros em março
  • A família segue devastada com a morte de Andriel
  • O menino estava voltando do aniversário de 15 anos da prima quando o crime aconteceu

Um jovem de apenas 24 anos não resistiu ao ser baleado há duas quadras de casa. Andriel Reis deixou a família devastada com sua morte, ele estava voltando do aniversário de 15 anos da prima quando o crime ocorreu, o jovem estava acompanhado do primo no dia, que se feriu mas sobreviveu.

-Publicidade-

Geovana Reis, 45, mãe do jovem, descobriu por amigos e vizinhos que o filho fazia doações de fraldas, remédios e itens de necessidade básica a alguns moradores do bairro, além de ajudar com pequenos consertos em casas na região. O jovem morava com os pais em Gravataí e também costumava auxiliar em casa, segundo a mãe.

“Já sabia que meu filho era uma pessoa boa. Mas, quando ele morreu, fiquei sabendo de coisas que ele fazia pelas pessoas, gente que ele ajudou. De alguém não ter fralda para o filho, não ter remédio, e ele ir comprar. De ele ajudar as pessoas nas casas. Vieram falar comigo amigos que ele tinha, pessoas que tinham carinho por ele, que eu nem conhecia. Porque ele ajudava os outros e nem comentava. Ele nos faz falta todos os dias”, lamentou a mãe.

O jovem foi morto a tiros enquanto voltava do aniversário da prima
O jovem foi morto a tiros enquanto voltava do aniversário da prima (Foto: Reprodução/GZH)

Geovana contou ao portal GZH, que o filho faria 4 anos de trabalho em uma fábrica. Aos 24 anos, ele vinha pagando as parcelas da moto que adquiriu e construía, aos poucos, uma casa no mesmo terreno onde fica a moradia dos pais. Apegado à família, Andriel deixou também dois irmãos, na casa, cheia de lembranças do jovem, a família busca formas de viver com a perda.

“Ele era um filho que ajudava pai e mãe no que fosse preciso. Pegava uma conta de luz e pagava, fazia rancho. Era educado, querido por todos. Sempre trabalhou. Tudo em casa lembra ele. Meu marido está inconsolável. Até o cachorro que ele tinha, que dormia no quarto com ele, passava as noites chorando. Tudo que me resta é ouvir os áudios que ele me enviava, ficar vendo uma foto que ele me mandou pouco antes da morte. Como é que vai ser daqui para a frente? Simplesmente acabaram com a nossa família”, contou Geovana.

Um inquérito da Polícia Civil investiga a motivação para o crime e também quem seriam os autores. Conforme a investigação, Santos foi, naquela noite, até o aniversário de 15 anos de uma prima. Ao sair da festa, se deslocava para casa a pé, na companhia de um primo. Poucas quadras depois, os dois foram atacados. Andriel foi baleado e não resistiu, morrendo no local. O primo teve ferimentos, mas sobreviveu. O crime ocorreu no bairro Parque Florido, em Gravataí. O jovem não tinha antecedentes criminais, segundo a polícia. Até o momento, ao menos oito pessoas foram na delegacia.