Adolescente autista conta à mãe que foi abusado pelo próprio professor em escola de Macapá

A vítima de 14 anos contou para a mãe que o professor o beijou e mexeu em suas partes íntimas

Resumo da Notícia

  • Um adolescente autista de 14 anos foi abusado pelo próprio professor
  • Ele relatou a mãe que o homem o beijou e mexeu em suas partes íntimas
  • O professor negou as acusações
  • Após investigação, ele foi indiciado por estupro de vulnerável

Em Macapá, no Amapá, um professor de uma escola particular da cidade foi indiciado pela Delegacia Especializada em Repressão de Crimes Contra a Criança e Adolescente (Dercca) pelo crime de estupro de vulnerável. Um de seus alunos, um adolescente autista de 14 anos, contou à mãe que o homem o beijou e acariciou suas partes íntimas.

-Publicidade-

A investigação do caso descobriu que o abuso aconteceu no dia 10 de abril. A mãe do garoto registrou o boletim de ocorrência (BO) somente em junho, mas relatou que o adolescente estava se comportando de maneira diferente há 2 meses, até que ela conseguiu ouvir o relato do filho.

A mãe informou em depoimento à polícia que, de acordo com o filho, o professor abriu o zíper da calça do adolescente e beijou a região genital dele. “Segundo a mãe dele, o professor teria tocado e beijado a genitália da vítima. No interrogatório, ele negou os fatos imputados contra si mesmo. O inquérito foi concluído e o professor foi indiciado”, disse Ronaldo Entrige, delegado da Dercca, em entrevista ao G1.

O delegado Rodrigo está cuidando do caso
O delegado Ronaldo deu sua declaração (Foto: Reprodução G1)

O professor de 30 anos de idade negou as acusações, mas mesmo assim, foi indiciado por estupro de vulnerável. O caso foi encaminhado para o Ministério Público (MP) do Amapá, que pode levar ou não o caso à Justiça. Se for condenado, o homem deve cumprir pena de 8 a 15 anos de prisão em regime fechado.