Adolescente mata mãe e irmão a tiros por se sentir pressionado com notas baixas na escola

O caso aconteceu no município de Patos, no sertão paraibano, a 308 km de João Pessoa, o menino baleou o pai também que está internado no hospital

Resumo da Notícia

  • Um adolescente de 13 anos matou a mãe e o irmão a tiros
  • O jovem alegou que se sentia pressionado pela família para tirar boas notas e não podia jogar videogame
  • O pai foi baleado no tórax mas está vivo e internado no Hospital Regional de Patos, em João Pessoa

Um adolescente de 13 anos matou a própria mãe e o irmão mais novo a tiros por causa de uma pressão que estava sofrendo em relação às notas baixas na escola. O caso aconteceu no município de Patos, no sertão paraibano, a 308 km de João Pessoa, o menino baleou o pai também que está internado no hospital.

-Publicidade-

O pai do adolescente, de 56 anos, é policial militar reformado e mantinha a arma guardada em um armário de ferro. No início, o filho negou o crime. E a própria polícia achava, a princípio, que ele era vítima, sobrevivente de uma chacina. Depois, contudo, no desenrolar das investigações, ele foi apontado como suspeito. E, na delegacia, acabou confessando.

O delegado Renato Leite contou, em entrevista à “TV Sol”, que os disparos foram motivados por uma discussão familiar sobre notas escolares baixas do jovem, que queria continuar a jogar jogos on-line e, conforme disse em depoimento, sentiu-se “pressionado”. A “gota d’água” teria sido o fato de o pai ter confiscado o seu celular.

“Ele estava tirando notas baixas porque em casa só queria saber de jogar. O menino, quando era cobrado para arrumar uma cama ou enxugar uma louça, disse que se sentia pressionado. Hoje (sábado), foi a gota d’água: ele se armou com a arma do pai e fez o que fez, infelizmente”, disse Leite.

Segundo o delegado, o adolescente está sozinho numa sala reservada para menores de idade na carceragem da Polícia Civil da Paraíba, aguardando a audiência de apresentação. “A gente representou pela internação provisória do menor. Após a audiência judicial, ele deve ser encaminhado ao Centro de Internação de Adolescentes da Paraíba, no município de Sousa, no sertão — acrescentou. — Os corpos das vítimas já foram liberados para a família fazer o enterro”, afirmou Leite.

O adolescente matou a mãe e o irmão a tiros
O adolescente matou a mãe e o irmão a tiros (Foto: Getty Images)

O delegado chamou a circunstância de ‘uma situação complicada’, em que ‘uma família foi destruída’. “ O adolescente de 13 anos alegou que a motivação para ter cometido o que cometeu foi os pais o estarem privando de jogar um jogo, Roblox. A motivação que ele alegou ter sido a gota d’água para que ele pegasse a arma do pai e resolvesse atirar contra a mãe dele, o pai e depois contra o irmão mais novo, foi justamente essa. Ele alegou que era pressionado a tirar boas notas na escola”, afirmou o delegado, com base no depoimento do autor dos disparos.

“Eu percebi que ele, quando soube que o pai ainda estava vivo, se assustou. Acho que ele estaria mais satisfeito se todos os três tivessem falecido”, contou o delegado. O adolescente disse que o pai já havia lhe mostrado a arma, mas negou que a tenha usado em outro momento. O PM aposentado, baleado no tórax, foi levado inicialmente ao Hospital Regional de Patos, mas a gravidade dos ferimentos levou à transferência para o Hospital de Trauma de Campina Grande.

O delegado Renato Leite afirmou que o pai do estudante havia saído para comprar um remédio para a mãe, que estava com dor de dente e dormia no quarto do casal. Antes disso, o PM reformado confiscou o celular do filho por causa do mau desempenho escolar. O jovem, então, pegou a arma de fogo, que estava “bem guardada” em um “armário de ferro fechado” no escritório do pai, conforme descreveu o delegado.

“A mãe aguardava no quarto, deitada, dormindo. Ele chegou, encostou a arma na cabeça dela e efetuou um disparo”, relatou Leite. O barulho do tiro assustou o irmão, que estava em seu próprio quarto e brigou com o adolescente quando percebeu o que ele havia feito. O autor chegou a correr atrás do menino para atirar nele. Nessa ocasião, o pai chegou à casa.

“O pai tentou intervir para que ele soltasse a arma, e ele terminou efetuando um disparo contra o pai, que caiu na sala”, contou o delegado. O irmão, ao ver o pai caído, tentou socorrê-lo e o abraçou. Foi quando ele (o adolescente) atirou no irmão pelas costas. Depois, friamente, guardou a arma onde estava, chamou o Samu e tentou fazer parecer que tinha sido um assalto, que tinham entrado e praticado um assalto.