Agente da polícia perde o cargo após agredir menino

Daniel Peruzzo Jardim, 44, trabalhava no Ministério da Justiça e Segurança Pública e agrediu um adolescente de 13 anos por causa de brincadeira que ocorreu no estacionamento do condomínio

Resumo da Notícia

  • Daniel Peruzzo trabalhava no Ministério da Justiça e Segurança Pública
  • O policial perdeu o cargo após agredir um adolescente de 13 anos
  • Devido a uma brincadeira de criança o advogado da família da vítima entrará com uma medida protetiva

Daniel Peruzzo Jardim, 44, trabalhava no Ministério da Justiça e Segurança Pública, e no dia 26 de Setembro foi flagrado pelas câmeras de segurança dando uma chinelada na cara de um menino de 13 anos. A confusão começou com uma brincadeira de crianças, onde uma escondia o chinelo da outra, foi quando a vítima Júlio César da Silva, 13, escondeu o chinelo da filha do policial. Ela foi atrás do pai para reclamar que haviam escondido o chinelo dela.

-Publicidade-

O policial chegou no estacionamento do condomínio onde as crianças estavam brincando, e viu Júlio ao lado do chinelo da filha, foi quando o chamou de ‘ladrãozinho’ e deu uma chinelada na cara do menino. As câmeras de segurança registraram todo o ocorrido.

Dia das Crianças

O Dia das Crianças está chegando e se você ainda não encontrou o presente perfeito para o seu filho, a Pais&Filhos fez uma seleção especial de produtos no site da Amazon para você se inspirar, tem opções para todos os gostos e bolsos também. Dá uma olhada AQUI e arrase na escolha!

O policial aparece no canto da câmera agredindo o menino
O policial aparece no canto da câmera agredindo o menino (Foto: Reprodução/G1)

O caso foi registrado como lesão corporal, injúria e ameaça. De acordo com o boletim de ocorrência, além de agredir fisicamente e verbalmente o garoto, Daniel também ameaçou a mãe da vítima. Após o ocorrido, a família está pensando em mudar de apartamento.

Segundo a defesa de Júlio, o advogado entrará com uma representação contra o servidor da PF: “Vou pedir também uma medida protetiva para ele não se aproximar do condomínio nem do menino, e vou entrar com uma ação por danos morais contra o condomínio por omissão”, explica o advogado.