Agente funerário descobre que bebê dado como morto ainda estava respirando momentos antes do enterro

O caso aconteceu em Rondônia e a família já registrou um boletim de ocorrência contra os médicos e o hospital

Resumo da Notícia

  • Agente funerário descobre que bebê dado como morto ainda estava respirando momentos antes do enterro
  • O caso aconteceu em Rondônia
  • A família já registrou um boletim de ocorrência contra os médicos e o hospital
  • O bebê atualmente está na UTI e o caso deve ser investigado pela Polícia Civil

Um bebê prematuro, que nasceu em um parto inesperado aos 5 meses de gestação, foi dado como porto por médicos  em Ariquemes (RO). Quando o recém-nascido estava sendo preparada para o enterro, no entanto, um agente funerário notou um suspiro e sinais de batimento cardíacos.

-Publicidade-

Segundo informações do G1, a mãe, que tem 18 anos, não sabia que estava grávida e procurou o atendimento médico na rede pública de saúde duas vezes sentindo fortes dores, mas foi mandada para casa ainda sem saber da gravidez. As dores começaram a aumentar e ela acabou dando à luz em casa, sem desconfiar previamente da gestação e nem recebendo ajuda médica.

Agente funerário descobre que bebê dado como morto ainda estava respirando momentos antes do enterro
Agente funerário descobre que bebê dado como morto ainda estava respirando momentos antes do enterro (Foto: Getty Images)

Assim que foi encaminhada para o hospital, o bebê foi dado como “natimorto”, segundo a declaração de óbito que foi assinada pelos médicos que estavam de plantão no dia. O bebê nasceu com pouco mais de um quilo.

Ainda ao G1, o agente funerário contou que foi chamado para buscar o corpo na unidade de saúde por volta das 3h da manhã. Algumas horas depois, enquanto realizava o procedimento padrão para o enterro, porém, ele notou os sinais vitais. Assim que percebeu o suspiro e os batimentos cardíacos, o profissional levou o bebê de volta ao hospital.

Desde então a criança está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal de um hospital privado da cidade. O estado de saúde não foi divulgado. Os familiares buscaram a polícia e realizaram um boletim de ocorrência sobre o ocorrido. O caso agora deve ser investigado pela Polícia Civil.