Americano de 64 anos pode ser primeiro paciente curado de diabetes tipo 1

Brian Shelton foi submetido a um tratamento com células tronco em junho deste ano

Resumo da Notícia

  • Brian Shelton de 64 anos tem diabetes tipo 1
  • O americano passou por um tratamento com células tronco em junho deste ano
  • Segundo os estudos Brian pode ser o primeiro paciente curado de diabetes tipo 1

Brian Shelton de 64 anos é um americano que foi diagnosticado desde cedo com diabete tipo 1. Após ser submetido a um tratamento com células tronco em junho deste ano, o homem se sente melhor do que nunca. “É uma vida totalmente nova”, disse Shelton. “É como um milagre”.

-Publicidade-

Shelton perdia a consciência toda vez que o açúcar no sangue despencava. Ele já bateu com a motocicleta na parede e desmaiou no quintal de um cliente enquanto entregava correspondência. Após esses quadros graves de desmaio, a empresa decidiu aposentar o homem após 25 anos de serviço, quando ele tinha 57 anos.

A ex-esposa, Cindy Shelton, o levou para a casa em Elyria, Ohio. “Tive medo de deixá-lo sozinho o dia todo”, disse ela. Porém no início desse ano a mulher identificou uma convocação para pessoas com diabetes tipo 1, para participarem de um ensaio clínico da Vertex Pharmaceutical.

A empresa estava testando um tratamento que foi desenvolvido por décadas, graças a um especialista que infelizmente perdeu o bebê e a filha adolescente para a doença. O Sr. Shelton foi o primeiro paciente. Em 29 de junho, ele recebeu uma infusão de células, cultivadas a partir de células-tronco, mas exatamente como as células do pâncreas produtoras de insulina que faltavam no corpo.

Shelton não precisará aplicar insulina diariamente
Shelton não precisará aplicar insulina diariamente (Foto: Reprodução/Amber Ford/The New York Times)

Agora o corpo dele consegue controlar automaticamente o nível de insulina e de açúcar no sangue. Shelton agora com 64 anos pode ser a primeira pessoa a ser curada da doença com um novo tratamento que tem especialistas que ousam esperar que a ajuda esteja chegando para muitos dos 1,5 milhão de americanos que sofrem de diabetes tipo 1.

Porém os especialistas ainda continuam afirmando que deve ter cautela com o tratamento, e irão continuar o estudo por mais 5 anos envolvendo 17 pessoas com casos graves de diabetes tipo 1. Não se destina a ser um tratamento para a diabetes tipo 2 mais comum.

“Há décadas procuramos que algo assim aconteça literalmente”, disse o Dr. Irl Hirsch, um especialista em diabetes da Universidade de Washington que não esteve envolvido na pesquisa. Ele quer ver o resultado, ainda não publicado em um jornal revisado por pares, replicado em muito mais pessoas.

Ele também quer saber se haverá efeitos adversos imprevistos e se as células durarão por toda a vida ou se o tratamento terá de ser repetido. Mas, ele disse, “linha de fundo, é um resultado incrível”. O Dr. Peter Butler, um especialista em diabetes da UCLA que também não esteve envolvido na pesquisa, concordou, oferecendo as mesmas ressalvas.

“É um resultado notável”, disse Butler. “Ser capaz de reverter o diabetes devolvendo-lhes as células que faltam é comparável ao milagre quando a insulina foi disponibilizada pela primeira vez há 100 anos.” E tudo começou com uma pesquisa de 30 anos por um biólogo da Universidade de Harvard, Doug Melton.

O Dr. Melton que viu o filho com sintomas de diabetes
O Dr. Melton que viu o filho com sintomas de diabetes (Foto: Reprodução/Amber Ford/The New York Times)

O Dr. Melton nunca havia pensado muito sobre diabetes até 1991, quando o filho de 6 meses, Sam, começou a tremer, vomitar e ofegar. “Ele estava muito doente e o pediatra não sabia o que era”, disse Melton. Ele e a esposa Gail O’Keefe levaram o bebê às pressas para o Hospital Infantil de Boston. A urina de Sam estava cheia de açúcar – um sinal de diabetes.

A doença, que ocorre quando o sistema imunológico do corpo destrói as células das ilhotas secretoras de insulina do pâncreas, geralmente começa por volta dos 13 ou 14 anos. Ao contrário do diabetes tipo 2, mais comum e moderado, o tipo 1 é rapidamente letal, a menos que os pacientes recebam injeções de insulina . Ninguém melhora espontaneamente. “É uma doença terrível, terrível”, disse o Dr. Butler da UCLA