Amizade verdadeira: saiba como explicar essa relação para seu filho e a hora de interferir

A socialização começa nos primeiros dias de vida dos bebês e vão se tornando mais complexas com o passar do tempo. Apesar das coisas fluírem naturalmente, é importante parar para refletir sobre o assunto às vezes

Resumo da Notícia

  • A socialização começa nos primeiros dias de vida dos bebês e vão se tornando mais complexas com o passar do tempo
  • As amizades normalmente aparecem de forma natural
  • Por serem naturais, raramente os pais param para refletir sobre o assunto
  • Mas é importante definir esse conceito para ajudar as crianças na hora de fazer amigos
  • Saiba como explicar essa relação para seu filho e a hora de interferir

Seu filho começa a se socializar  logo nos primeiros dias de vida, quando chora, ri e encontra formas de se comunicar com vocês, os pais dele. A amizade é uma consequência natural a partir dessas primeiras expressões e trocas. Ela evolui tão naturalmente que pode ser que você nem sempre reserva um tempo para explicar o que significa essa tal de amizade, até que seu filho tenha a primeira briga ou se afaste de um amigo. “Dar um rótulo à amizade desde o início dá às crianças uma maior compreensão de si mesmas e de seus colegas”, aponta Molly O’Shea, M.D., pediatra da Goldfish Swim School em Bloomfield Township, Michigan.

-Publicidade-
Saiba como falar som seu filho sobre a amizade (Foto: Getty Images)

Você pode começar a falar sobre amizade com seu filho desde os 9 meses e, sendo realistas, ele começará a entender melhor o que é um amigo à medida que começar a ter mais interação com outras crianças, por volta dos 2 ou 3 anos de idade.

Para conseguir chegar onde deseja, usar uma linguagem apropriada para a idade ao falar sobre amizade é essencial – uma criança mais nova não tem o vocabulário ou compreensão das emoções que uma criança mais velha tem. Para te ajudar com essa missão, dois especialistas compartilharam dicas sobre como conversar com seu filho sobre amizade, confira:

Use a prática para definir a amizade

Quando uma criança entra na escola primária, ela começa a brincar mais cooperativamente e você pode falar sobre amizade construindo um conceito que as crianças já estão aprendendo: compartilhar. “Compartilhamos sorrisos, tempo e brinquedos”, diz Sherry Kelly, Ph.D., psicóloga clínica em Nova York e Connecticut e fundadora da PositiviTeens West Hartford. “Diga a seu filho: ‘Um amigo é alguém com quem trabalhamos e exploramos juntos. Nós nos divertimos e crescemos juntos'”, aconselha.

Quando os filhos entram no ensino fundamental, eles começam a compartilhar sentimentos, como o de que estão chateados com algo que está acontecendo em casa. Como os adolescentes tendem a se afastar um pouco dos pais, eles precisam de amigos que compartilhem opiniões honestas com eles enquanto experimentam de tudo, desde novos estilos de cabelo a relacionamentos românticos. Explique ao seu filho que um amigo é alguém com quem você pode ser autêntico, sugere a Dra. O’Shea.

Saiba quando orientar e quando intervir

Amigos de verdade trazem o melhor uns dos outros. Dizer algo como: “Quando você brinca com o João, seu professor diz que você está fazendo um bom trabalho ou você se mete em problemas?” pode ajudar seu filho a descobrir se a amizade está trazendo o que há de melhor nele ou não.

Ou, depois que seu filho passar um tempo com alguém, pergunte como ele se sentiu. Você pode ser mais direto se seu filho for mais velho, enfatizando que as amizades devem ser vias de mão dupla e perguntando se tal relacionamento está sendo positivo, diz a Dra. O’Shea.

À medida que seu filho começa a brincar e a frequentar a escola, ele pode falar com você sobre os problemas que está tendo com outras pessoas. Tente resistir a “consertar” tudo logo de cara. “Na primeira ou nas duas primeiras vezes que seu filho vem até você com uma reclamação sobre algo que aconteceu com um amigo, pode ser bom apenas ouvir e dizer: ‘O que você acha que deveria fazer na próxima vez?’. Esta pergunta capacita seu filho a assumir a responsabilidade por suas amizades”, aconselha ela.

Se seu filho continuar comentando sobre problemas com uma mesma amizade, tente dizer algo como: “Por que você acha que ainda está tendo problemas com seu amigo?”, ela aconselha. “Se eles não estão conseguindo se entender, diga: ‘O que torna essa pessoa um bom amigo? Por que você quer continuar amigo dele?'”, orienta.

Os especialistas concordam que é importante não colocar palavras na boca do seu filho. “Aprendemos com nossos erros”, diz O’Shea. “É muito importante para os pais permitirem que os filhos tenham os sentimentos feridos, recuperem-se disso, descubram como ter uma amizade que é complicada, mas real, em vez de apenas uma série de encontros”.

Dito isso, há momentos em que você deve intervir nas amizades. Se seu filho está sofrendo bullying, apresentando sintomas de ansiedade ou depressão infantil, ou tendo certas ações que você não concorda, uma abordagem mais direta é necessária.

Seja transparente com seu filho – você deseja que ele confie em você e fale com você sobre os problemas dele. “Diga algo como ‘eu sei que você ainda quer ter uma amizade, mas me chateia vê-lo tão triste. Vou pedir pra você fazer uma pausa na convivência com esse colega'” diz O’Shea.

Ensine seu filho a ser um bom amigo

Não queremos apenas ensinar aos filhos que um amigo deve trazer à tona o que há de melhor neles, mas que eles devem revelar o que há de melhor no amigo deles também. O primeiro passo para isso, que pode ser feito desde a infância, é dar um bom exemplo.

Na prática, evite falar negativamente sobre seus amigos na frente dos seus filhos. Em vez disso, permita que eles vejam você elogiá-los. Com as crianças mais novas, reforce o bom comportamento. Você pode dizer algo como: “Gostei de como você ajudou o João a sair do escorregador quando ele caiu”, sugere O’Shea. Você também pode elogiar seu filho pela maneira como trata os irmãos e até os animais de estimação.

Incentive atos de bondade e empatia à medida que eles envelhecem também, como fazer um cartão para um amigo doente, por exemplo. Se você preferir, pode buscar por bons exemplos em desenhos animados e livros. Mostrar para as crianças o que é uma boa amizade na prática certamente gera mais resultados do que definir a amizade na teoria.