Andressa Urach desabafa sobre pós-parto: “As dores parecem que nunca vão acabar”

A modelo falou sobre o assunto nas redes sociais. Ela é mãe de Leon e de Arthur

Resumo da Notícia

  • Andressa Urach desabafa sobre pós-parto
  • A modelo falou sobre o assunto nas redes sociais
  • Ela é mãe de Leon e de Arthur
  • Leon nasceu no dia 11 de fevereiro

Andressa Urach usou as redes sociais nesta segunda-feira, 21 de fevereiro, para fazer um relato sobre o pós-parto. A modelo, que deu à luz Leon no dia 11 de fevereiro, usa o Instagram com frequência para falar sobre a maternidade e tem contado que os dias depois do parto não estão sendo fáceis.

-Publicidade-

“Sinto muita vontade de chorar. As dores parecem que nunca vão acabar. Tenho dor de cabeça, na mama direita e no meu útero. Estou tomando bastante remédio, mas mesmo assim elas continuam”, desabafou ela, nos stories do Instagram.

Andressa Urach desabafa sobre pós-parto: "As dores parecem que nunca vão acabar"
Andressa Urach desabafa sobre pós-parto: “As dores parecem que nunca vão acabar” (Foto: Reprodução / Instagram)

Essa não foi a primeira vez que Andressa contou sobre as dores e dificuldades do pós-parto. No Youtube Andressa contou que por causa de uma cirurgia de redução dos seios, além de outros cinco procedimentos estéticos nas mamas, a estrutura dos seios não tem os ductos necessários para a saída do alimento de seu caçula, Leon. Ela já é mãe de Arthur, de 16 anos de idade.

“Momento bem difícil. Levou três dias para o meu leite descer e só em uma das mamas sai leite. A mama direita não tem os furinhos para sair o leite. Ela está enchendo, mas não tem os ductos para sair leite. Minha mama está extremamente cheia, mas não tem por onde sair. Está empedrando e doendo muito. Estou sofrendo com dor e só vou conseguir amamentar com a mama esquerda”, desabafa a mãe de Leon.

Urach conta que o marido Tiago Costa e as enfermeiras do hospital onde está internada a estão ajudando com compressas de águas frias para reduzir a produção de leite. “Hoje, a medicina avançou muito, e caso eu entrasse no banho de água quente, a produção de leite aumentaria”, detalha.

A mãe de Leon aproveitou o vídeo para também atualizar o quadro clínico do filho. Por ter nascido prematuro, ela contou que o menino não consegue manter a temperatura do corpo e, por isso, precisa estar sempre muito agasalhado. “Olha que coisa mais linda. Está com três quilos e trezentas gramas”, completa.

Saiba mais sobre os cuidados com os seios no período de amamentação

Para tirar as principais dúvidas sobre o assunto, conversamos com Cinthia Calsinski, mãe de Matheus, Bianca e Carolina, enfermeira obstetra, consultora de amamentação e colunista da Pais&Filhos sobre a forma correta de se cuidar neste período tão importante entre mãe e filho. 

  • Preparo hormonal

Durante a gravidez, o corpo por si só cuida de preparar os seios para a amamentação, deixando-os mais sensíveis por causa dos hormônios. “Lembrar que nem todas as mulheres sentem da mesma maneira é importante! Então não sentir não é um problema! A aréola tende a crescer, e aparece a aréola secundária que é como se fosse uma ‘sombra’ ao redor da aréola. Ela escurece logo após o parto devido estímulo hormonal para que o bebê ‘encontre’ onde deve abocanhar”, explica.

  • É preciso preparar os seios para amamentar?

Não! Segundo a especialista, o próprio organismo se encarrega do preparo, portanto não há necessidade. “Durante a gestação as glândulas de montgomery que se encontram na aréola começam a fabricar uma lubrificação que tem essa função. Não é necessário passar nada, tomar sol, esfregar. A única maneira comprovada pela ciência para se preparar é buscar informação de qualidade!”.

  • E o que não fazer de jeito nenhum?

O recomendado é que a mãe não tome sol, faça o uso de pomadas para os seios, torça ou esfregue a região. Cinthia explica que durante a gravidez, o que se pode fazer é usar sutiãs confortáveis e que sustentem bem as mamas.

  • O tipo de bico dos seios pode interferir na amamentação?

Não necessariamente. A especialista comenta que alguns formatos podem facilitar ou dificultar para o bebê, mas vale lembrar que nenhum deles inviabiliza a amamentação. “É importante em casos de mamilos desfavoráveis, recorrer a um profissional especializado que auxiliará no processo inicial, pois quanto antes pedir ajuda melhor!”. Para ver mais dicas sobre o assunto, acesse nossa matéria completa clicando aqui.