Anestesista cometeu abuso assim que marido da vítima saiu da sala de parto

Em nota, a direção do Hospital da Mulher Heloneida Studart, informa que o ato aconteceu após o nascimento do bebê enquanto o pai foi acompanhar a criança até o berçário

Resumo da Notícia

  • Mulher que foi estuprada por anestesista estava acompanhada do marido e ato aconteceu enquanto ele foi ao berçário
  • O anestesista Giovanni Quintella Bezerra foi preso em flagrante por estuprar uma mulher durante cesariana
  • O hospital abriu ainda uma sindicância interna para tomar as medidas administrativas e notificou o Cremerj

A gestante que foi estuprada pelo anestesista Giovanni Quintella Bezerra durante uma cesariana estava acompanhada do marido, conforme direito garantido por lei e pelas normativas pertinentes. Segundo a direção do Hospital da Mulher Heloneida Studart, o ato aconteceu após o nascimento do bebê enquanto o pai foi acompanhar a criança até o berçário.

-Publicidade-
Anestesista preso Giovanni Quintella
Anestesista preso Giovanni Quintella (Foto: Reprodução / G1)

O vídeo do crime está rolando nas redes sociais. Enfermeiras e técnicas do Hospital da Mulher gravaram Giovanni abusando da vítima na madrugada desta segunda-feira. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a direção do Hospital, acionadas pela equipe médica da unidade, denunciaram o crime à Polícia Civil, que foi até a unidade e prendeu o médico anestesista em flagrante. A Polícia Civil disse à imprensa que as funcionárias vinham desconfiando do comportamento do anestesista e estranhavam, por exemplo, a quantidade de sedativo aplicado nas grávidas.

A SES informa ainda que o médico não é servidor do estado. Ele tem título de especialista em anestesiologia, CRM regular e prestava serviço há seis meses como pessoa jurídica para os hospitais estaduais da Mãe, da Mulher e Getúlio Vargas. As unidades estão em contato com a polícia para colaborar com as investigações.

O hospital abriu ainda uma sindicância interna para tomar as medidas administrativas e notificou o Cremerj. A equipe da unidade está prestando todo apoio à vítima e à sua família.

Leia a nota na íntegra:

“A direção do Hospital da Mulher Heloneida Studart informa que a paciente estava acompanhada do marido para o procedimento, direito garantido por lei e pelas normativas pertinentes. Após o nascimento do bebê, o pai deixou o centro cirúrgico para acompanhar a criança até o berçário.
A Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a direção do Hospital, acionadas pela equipe médica da unidade, denunciaram o crime à Polícia Civil, que foi até a unidade e prendeu o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra em flagrante. O médico não é servidor do estado. Ele tem título de especialista em anestesiologia, CRM regular e prestava serviço há seis meses como pessoa jurídica para os hospitais estaduais da Mãe, da Mulher e Getúlio Vargas. As unidades estão em contato com a Polícia Civil para colaborar com as investigações.

A direção do HMulher abriu uma sindicância interna para tomar as medidas administrativas e notificou o Cremerj. A equipe da unidade está prestando todo apoio à vítima e à sua família.

O Hospital da Mulher possui diversas certificações de excelência. Entre elas, a certificação Programa de Cirurgia Segura Target Zero categoria Diamante no ano de 2013; Top Excelência – Prêmio Top Quality da MFC Consultoria e Educação Corporativa no Programa 5S; Certificação em Desenvolver as Melhores Práticas relacionadas à Monitorização da Esterilização categoria Ouro; Certificação em Práticas relacionadas à Esterilização Hospitalar categoria Diamante; Top Diamante Top Quality Práticas do Programa 5S pela MFC Consultoria e Educação Corporativa Categoria Ouro; Prêmio Qualidade Rio pela aplicação de critérios de Excelência na Gestão da Organização; e Programa Soluções Integradas para a Saúde – 3M certificado em Esterilização Hospitalar categoria Diamante.

Em abril deste ano, a unidade recebeu o título “Hospital Amigo da Criança”, conferido pelo Ministério da Saúde (MS). Para ter a certificação, foi necessário cumprir boas práticas durante o acolhimento das pacientes em prol do aleitamento materno estabelecidas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).”

Att,
Assessoria de Imprensa