Angélica participa de live e explica por que acha tão difícil ser mãe hoje

A apresentadora, que é mãe de Joaquim, de 15 anos, Benício, de 12 anos, e da menina Eva, de 7 anos, participou de uma conversa honesta com atriz Suzana Pires e abordou diversas questões como maternidade, a pandemia e o feminismo

Resumo da Notícia

  • Na noite da última sexta-feira, 17 de abril, a apresentadora Angélica participou de uma live
  • Ela conversou com a atriz e autora Suzana Pires
  • Elas falaram sobre muitos assuntos, entre eles: Maternidade, feminismo e a pandemia de coronavírus
Angélica participou de uma live com a atriz e autora Suzana Pires (Foto: reprodução / Instagram @angelicaksy)

Na noite da última sexta-feira, 17 de abril, a apresentadora Angélica, de 46 anos, participou de uma live com a atriz e autora Suzana Pires. Elas falaram sobre muitos assuntos, entre eles: Maternidade, feminismo e a pandemia de coronavírus.

-Publicidade-

Angélica, que é mãe de Joaquim, de 15 anos, Benício, de 12 anos, e da menina mãe , de 7 anos, falou sobre como a maternidade lhe deu propósito na vida. “Isso me impulsionou a ver mais propósito na vida. Está tudo muito complicado, difícil, internet que pode ser usada pra coisas boas, mas também pra distribuir raiva, ódio e mentira. Está tudo meio invertido e é o mundo das crianças também. É assustador pra uma mãe ver e como controlo isso. A gente está perto, acompanhando, e espero, tenho fé e esperança, que a gente vai ter um mundo mais amoroso”, disse.

Ela também falou sobre sua visão em relação a pandemia de Covid-19: “Acho que essa pandemia não pode ser por nada. Ela tem que deixar esse legado, das pessoas se ajudando. E esses jovens estão vendo isso: os projetos, as doações. Isso de ruim pode deixar um legado bom. A gente estava indo pra um caminho meio superficial. Aí vem uma coisa horrorosa dessa dizendo que o raso não funciona: tem que se aprofundar, tem que olhar no olho, tem que se conectar com o outro. Tenho pensando muito nisso e está me dando mais esperança, que esses jovens serão, sim, melhores”.

-Publicidade-
Angélica e a família (Foto: reprodução / Instagram @angelicaksy)

A apresentadora concluiu falando também sobre a importância do feminismo: “Isso de impor, de gritar, de brigar, não precisa. Sempre fui pelo lado do carinho. Acredito na suavidade da mulher, de se impor nas ideias, mas sem brigar”, disse ela, que vê nessa delicadeza firme um bom aliado em um mundo ainda muito machista. “Pra mulher se impor nos lugares masculinos tem que ter leveza e carinho, mas com firmeza. E já que temos isso a mais, por que não usar?”, concluiu.