Anticorpos podem ficar mais fortes 6 meses após infecção por Covid-19, diz estudo

A pesquisa foi divulgada na última segunda-feira, 18 de janeiro, na Revista Nature

Resumo da Notícia

  • Segundo estudo conduzido por cientistas da Universidade Rockefeller, de Nova York, após seis meses da infecção pela Covid-19, os anticorpos contra a doença podem ficar mais fortes
  • Para o estudo, foram analisados 87 indivíduos, de 18 a 76 anos, que já tiveram a Covid-19
  • O período de estudo durou seis meses, acompanhando os voluntários

Segundo estudo conduzido por cientistas da Universidade Rockefeller, de Nova York, e divulgado na Revista Nature na última segunda-feira, 18 de janeiro, após seis meses da infecção pela Covid-19, os anticorpos contra a doença podem ficar mais fortes. É o que foi concluído de pesquisa que analisou a evolução da imunidade dos anticorpos do coronavírus.

-Publicidade-

Para o estudo, segundo a CNN, foram analisados 87 indivíduos, de 18 a 76 anos, que já tiveram a Covid-19. O período de estudo durou seis meses, acompanhando os voluntários.

Estudo descobriu que anticorpos ficam mais fortes 6 meses após infecção de Covid-19 (Foto: Getty Images)

Enxoval do bebê

Está preparando o enxoval ou a lista para o seu chá de bebê? Olha só essa novidade: você pode criar sua lista personalizada com produtos na Amazon, que pode ser compartilhada com amigos e familiares em várias plataformas. Além disso, você também pode ganhar 10% de desconto na compra na maioria dos itens! Saiba mais sobre a ferramenta e veja produtos para o enxoval do bebê CLICANDO AQUI. Para montar a sua lista, acesse AQUI!

De acordo com o estudo, a razão para essa resposta imune mais forte está nas células B, responsáveis por reconhecer o vírus e criar anticorpos. Análises mostraram que, embora níveis de anticorpos diminuam com o tempo, as células B estariam mais potentes e resistentes às mutações do vírus, o que indica uma evolução contínua da resposta imune.

A respeito dos casos de reinfecção, de acordo com a pesquisa, “as respostas de memória são responsáveis pela proteção contra reinfecção e são essenciais para uma vacinação eficaz. A observação de que as respostas das células B de memória não decaem após cerca de 6 meses, mas em vez disso continuam a evoluir, é fortemente sugestivo de que os indivíduos que são infectados pelo SARS-COV-2 podem apresentar uma resposta rápida e eficaz ao vírus após a reexposição”.