Após criança com covid-19 não resistir, estudo mostra que o vírus pode atacar coração

Menina de 11 anos não sofria de doença preexistente, era até então saudável, e morreu de insuficiência cardíaca um dia após ser internada no Hospital das Clínicas

Resumo da Notícia

  • No coração de uma menina, cientistas brasileiros descobriram marcas do ataque direto do coronavírus ao músculo cardíaco
  • O caso chama a atenção primeiro porque o coração e não o pulmão foi o principal alvo do Sars-CoV-2
  • O estudo indica ainda que o vírus sozinho pode diretamente provocar muitos dos danos que têm sido atribuídos a uma reação inflamatória

No coração de uma menina, cientistas brasileiros descobriram marcas do ataque direto do coronavírus ao músculo cardíaco das crianças. A menina de 11 anos não sofria de doença preexistente, era até então saudável, e morreu de insuficiência cardíaca um dia após ser internada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

-Publicidade-
Cientistas brasileiros descobriram marcas do ataque direto do coronavírus ao músculo cardíaco (Foto: Getty Images)

Os pesquisadores esperam que a investigação abra caminho para tratar melhor o que se considera ser a forma infantil grave da Covid-19. O caso chama a atenção primeiro porque o coração e não o pulmão foi o principal alvo do Sars-CoV-2. O estudo indica ainda que o vírus sozinho pode diretamente provocar muitos dos danos que têm sido atribuídos a uma reação inflamatória.

Os resultados do estudo, que contribui para entender os efeitos da doença, são descritos em artigo publicado na revista médica The Lancet Child & Adolescent Health. A SIM-P começou a ser relatada a partir de abril deste ano por médicos da Europa e dos Estados Unidos. “A síndrome é um quadro inflamatório sistêmico grave, identificado em crianças e adolescentes, que pode atingir vários órgãos, como o trato gastrointestinal, pulmões, pele e sistema nervoso central, e provocar disfunção cardíaca em casos mais graves”, afirma Marisa Dolhnikoff, professora da FMUSP e primeira autora do trabalho.

-Publicidade-

A criança não apresentava doenças previamente existentes, e foi levada ao pronto-socorro do Instituto da Criança do HC em estado grave, apresentando desconforto respiratório, gripe, febre alta persistente e dor abdominal. “Após a entrada na UTI, o quadro evoluiu para disfunção cardíaca e choque cardiogênico em 28 horas, com necessidade de ventilação mecânica pulmonar e suporte de medicações para o sistema cardiovascular”, relata a médica Juliana Ferranti, que participou do estudo, segundo a UOL. “Foi uma evolução grave da covid-19, muito rara dentro da pediatria”. A confirmação da doença foi feita por um teste de PCR realizado após a morte da paciente.

Após a morte da menina, para avaliar as alterações teciduais e os possíveis mecanismos fisiopatológicos associados à SIM-P, foi realizada a análise microscópica de tecido coletado de vários órgãos, através da autópsia minimamente invasiva guiada por ultrassom.

-Publicidade-