Ator de Riverdale que matou mãe pede desculpas para família durante audiência

Ryan Grantham ainda planejava matar o primeiro-ministro do Canadá

Resumo da Notícia

  • Ryan matou sua mãe no dia 31 de março de 2020 com um tiro na cabeça
  • O ator firmou que a mulher não merecia o crime
  • Quando confessou o crime, ele explicou que queria "gerar impacto".

Durante uma audiência na última quarta-feira, 15 de junho, o ator Ryan Grantham, que matou sua mãe, afirmou que a mulher não merecia o crime. Segundo a emissora canadense CTV News, ele também pediu desculpas aos familiares.

-Publicidade-

Conhecido pelo papel na série Riverdale, Ryan matou sua mãe no dia 31 de março de 2020 com um tiro na cabeça, enquanto ela tocava piano. Além de matar Barbara Waite, ele também planejava matar o primeiro-ministro do Canadá. “Eu estava com pressa e ele era a única pessoa em quem eu poderia pensar, a pessoa mais importante do Canadá”, confessou.

No depoimento dado por ele no Supremo Tribunal da Colúmbia Britânica, o ator revelou que após matar sua mãe, ele acendeu algumas velas e pendurou alguns rosários em cima do instrumento que ela estava tocando, logo depois fez algumas orações e saiu de casa com a pretensão de matar mais pessoas.

Ator de 'Riverdale' mata própria mãe e planeja assassinato do primeiro-ministro do Canadá
Ator de ‘Riverdale’ mata própria mãe e planeja assassinato do primeiro-ministro do Canadá (Foto: Reprodução/Netflix)

“Minha mãe era uma pessoa carinhosa, compassiva e amorosa. Ela não fez nada para merecer o que eu fiz com ela”‘, disse ele. Os familiares presentes na audiência emocionaram-se com as falas do responsável pela morte de Barbara. “Diante de algo tão horrível, pedir desculpas quase parece inútil. Mas de todas as fibras do meu ser, sinto muito”

O advogado, Chris Johnson, defendeu o criminoso afirmando que o isolamento do ator, junto com um distúrbio depressivo e o uso de cannabis influenciaram o crime. Um psicólogo, contratado pela defesa, afirmou que o estado mental do jovem na época do crime estava longe do normal e ainda o definiu como instável, caótico, ambivalente e frágil.

Antes de ir à delegacia confessar o crime, o ator pensou em realizar massacres na Ponte Lions Gate de Vancouver e na Universidade de Simon Fraser, onde estudava, e também se suicidar. Quando confessou o crime, ele explicou que queria “gerar impacto”.

Ainda em audiência, Ryan declarou estar buscando ser “uma pessoa melhor, honesta e boa”. O juiz ainda irá proferir a decisão do caso, mas Grantham foi declarado culpado em segundo grau por assassinato e condenado à prisão perpétua.