Áudios divulgados mostram ex-patroa ameaçando e ofendendo babás de Salvador

O caso de Raiana Ribeiro, que pulou do 3° andar de um prédio para escapar de um cárcere privado, continua tendo novidades

Resumo da Notícia

  • O caso da babá que pulou do 3° andar de um prédio continua tendo desdobramentos
  • Mais mulheres denunciaram a ex-patroa
  • Foram divulgados áudios da mulher xingando e ameaçando as ex-funcionárias

O caso da babá Raiana Ribeiro, que pulou do terceiro andar de um prédio em Salvador, na Bahia, continua tendo desdobramentos. A UOL teve acesso a mensagens que a ex-patroa da mulher mandou intimando outras ex-funcionárias. Melina Esteves França aparece nas gravações xingando as mulheres. .

-Publicidade-
Raiana Ribeiro, de 25 anos, que saltou do 3º andar do prédio da patroa para escapar de um cárcere privado (Foto: Reprodução / Globo)

Em um dos áudios, Melina ameaça uma babá de 55 anos, que trabalhou para ela no ano passado. “Eu sei onde é que você mora. Se as pessoas souberem o que é que você fez na minha casa, não vai ficar nada bom para você, viu? Tu não presta, tu é miséria, inútil, que não sabe fazer p**** nenhuma, porque a casa está um chiqueiro”, diz a ex-patroa.

Em outro trecho, Melina reclama do serviço da babá e a ofende: “Você é porca, rapaz, você não fazia nada. Até para dar banho numa menina você dava com ignorância”, afirma, insinuando que a babá teria tratado mal sua filha. “Aqui em casa tem câmera, viu? Você botava a menina no colo com a maior estupidez. Você vai me pagar. Quem vai lhe cobrar são os próprios vagabundos daí”, diz, referindo-se ao bairro onde reside a ex-funcionária.

Ela afirmou que já tinha contatado as autoridades: “Eu estou lhe avisando e à polícia. Se você tivesse vindo para cá, você ia para a delegacia. Mas não tem nada, não. Deus e o diabo sabem o que fazem”. Para finalizar, ela reclamou do fato da babá ter compartilhado o que estava acontecendo com a irmã e pedindo para que ligasse para ela, cobrando uma posição. “Você não vale nada, não considera ninguém. Por isso que a sua vida é toda atrasada, atrapalhada, mentirosa; cobra!”, disparou.

Bruno Oliveira, advogado de oito das 12 ex-funcionárias que abriram queixa contra Melina, afirmou que esses áudios vão ser incluídos no processo como provas. “A polícia realizou uma busca no apartamento de Melina, apreendendo o seu celular e câmeras de monitoramento interno. Tudo será periciado, assim como as imagens fornecidas pelo condomínio”, afirmou Bruno.

Entenda o caso

Na manhã do dia 25 de agosto, uma mulher de 25 anos deu entrada na emergência do HGE (Hospital Geral do Estado) depois de pular do 3° andar de um prédio localizado no bairro do Imbuí, em Salvador. A suspeita é de que a babá saltou depois de ter pedido demissão para a patroa e a mesma a impedir de sair do apartamento. A polícia informou que ela está com suspeita de fratura nas pernas e escoriações pelo corpo. Está internada e não corre risco de vida.

A babá deu entrada na emergência do HGE (Hospital Geral do Estado) (Foto: Reprodução / UOL)

A babá morava na residência da família há 8 dias. A ex-patroa chamou a Polícia Militar pois a mulher teria supostamente batido em uma das três crianças que moram no local. Policiais militares da 39ª Companhia Independente da estiveram no local e levaram a mãe e a criança para a Derca (Delegacia Especializada de Repressão a Crime contra Criança e Adolescente), onde a suposta agressão será investigada..

Em nota, a PM informou que a babá “”para escapar, foi necessário pular do terceiro andar do prédio”. Ela contou aos policiais que estava sendo mantida em cárcere privado desde o último sábado, 21 de agosto, depois de ter pedido demissão e a patroa não aceitar a saída dela, trancando-a em uma banheiro. Ela ainda disse que sofreu diversas agressões físicas a todo momento e percebeu que não havia outra escapatória do que pular do apartamento.

A mulher fugiu o imóvel por uma janela, caiu e bateu no parapeito do segundo andar antes de atingir o térreo. “A paciente afirmou ter sofrido agressões e sido confinada em um cômodo da casa, além de ter seu celular retido pela empregadora. Diante da privação de liberdade, ela afirmou que se jogou do terceiro andar”, informou a Polícia Civil. Moradores e pessoas que passavam pelo local acionaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para socorrê-la para o hospital.

A busca pelo emprego

Antes de se tornar babá da família, a vítima morava em Itanagra, na Bahia, e se encontrava desempregada quando viu o anúncio de emprego na internet. Ela só conheceu os empregadores ao chegar em Salvador, já que aceitou o trabalho por uma conversa de telefone.

O caso foi registrado no posto policial do HGE depois que a vítima deu entrada ao ser socorrida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), e está em investigação na 9ª Delegacia Territorial, no bairro Boca do Rio. A Polícia Civil da Bahia informou que não serão repassados detalhes da investigação para não prejudicar a apuração do caso.