Avô de 61 anos é aprovado em universidade no Maranhão com ajuda de netas

Antônio Jorge Dinis Almeida trabalhou quase a vida toda como auxiliar de maquinista, e resolveu se jogar no mundo dos estudos no ano passado

Resumo da Notícia

  • Um senhor de 61 anos foi aprovado na Universidade Federal do Maranhão
  • Antônio Jorge Dinis Almeida irá cursar Turismo
  • Foi graças a ajuda das netas que Antônio conseguiu passar no vestibular

Antônio Jorge Dinis Almeida, 61, passou na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), graças à ajuda das netas que estudaram com ele. O homem que trabalhou quase a vida inteira como auxiliar de maquinista, e resolveu se jogar no mundo dos estudos no ano passado.

-Publicidade-

Disposto a aproveitar o tempo livre de forma produtiva, o idoso retomou os estudos e concluiu o ensino médio. Não satisfeito, fez o Enem no ano passado e se inscreveu para o Sisu neste ano, conquistando um feito notável. Antônio irá cursar Turismo na faculdade.

O idoso passou em Turismo na UFMA
O idoso passou em Turismo na UFMA (Foto: Shutterstock)

Enquanto o filho, que é professor universitário, incentivou o pai a concluir os estudos (que ele precisou abandonar na adolescência para trabalhar), suas netas – as irmãs gêmeas Yngridy e Yasmin fizeram questão de acompanhá-lo nos estudos do ensino médio. Seu Antônio foi aprovado em março, passando na segunda chamada da UFMA.

De acordo com o portal “Mais Maranhão”, seu Antônio perdeu o pai quando cursava o segundo ano do ensino médio. Assim, para ajudar no sustento de casa, onde morava com a mãe e os irmãos, ele largou os estudos e começou a trabalhar. Na juventude, entrou para o Exército brasileiro, onde ficou 4 anos, sendo promovido a cabo. Nesse meio-tempo, tentou concluir o ensino médio, sem sucesso.

Avô de 61 anos é aprovado em universidade no Maranhão com ajuda de netas
Avô de 61 anos é aprovado em universidade no Maranhão com ajuda de netas (Foto: Reprodução/Mais Maranhão)

Antônio também já trabalhou por um ano como segurança na antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA). Aos vinte e poucos anos, participou de um concurso para auxiliar de maquinista, e passou. Foram mais de três décadas dedicadas a esse trabalho. Devido à pandemia, boa parte das provas e exames eram feitos via internet. Por isso, o idoso contou com a ajuda não apenas de videoaulas, mas das netas de consideração, que o acompanharam em todas as disciplinas que ele tinha dificuldade.

Apesar de não ser o avô biológico de Yngridy e Yasmin, Antônio é muito querido e admirado pelas jovens – em uma relação familiar baseada no respeito mútuo e na paixão por estudar. Saber que o idoso foi aprovado na carreira que desejava emocionou as gêmeas, que sentiram que seu dever “havia sido cumprido”. “Entrei no site do sistema e vi o nome do meu avô entre os aprovados. Corri para dar a notícia para minha irmã e mãe”, relatou Yngridy.