Babá que pulou do 3° andar de um prédio para escapar da patroa conta detalhes das agressões: “Muita maldade”

Raiana Ribeiro da Silva, de 25 anos, abriu o jogo em uma entrevista ao Fantástico

Resumo da Notícia

  • Uma babá pulou do 3° andar de um prédio
  • Ela fez isso para escapar do cárcere privado que estava sendo mantida pela ex-patroa
  • A mulher deu entrada na área de emergência do hospital
  • Ela prestou um depoimento à TV e contou detalhes do caso

O caso da babá que pulou do terceiro andar de um prédio, em Salvador, para escapar de um cárcere privado, continua tendo desdobramentos. Em entrevista ao Fantástico, Raiana contou mais detalhes do terror que viveu dentro do apartamento da ex-patroa, Melina Esteves França, que não aceitou a demissão da babá e a agrediu, além de privar a mulher de comer e tomar água.

-Publicidade-
Raiana Ribeiro da Silva conversou com o Fantástico sobre o caso (Foto: Reprodução / Globo)

“Era muita maldade, muita maldade. Ficava me xingando de vagabunda. Era muita maldade”, conta Raiana. Ela tinha conseguido um emprego para cuidar de trigêmeas de 1 ano e 9 meses e depois de trabalhar uma semana no local, avisou que teria que se demitir pois tinha achado outro emprego. “Aí ela falou ‘vou te mostrar, sua vagabunda, se você vai embora’. Aí já começou a me agredir”, disse.

Raiana contou que foram diversos tipos de agressões: ” Puxou meu cabelo, me mordeu, me empurrou. Aí eu saí correndo e me tranquei no banheiro. Aí eu mandei um áudio para minha irmã, pedindo socorro”. Ela também pediu socorro a um vizinho, pela varanda. “Aí ela viu. Aí ela já me arrastou para dentro de casa, me trancou dentro do banheiro, que foi quando eu saí pela janela. Eu achei que eu passando pelo basculante e agarrando uma linha que tinha, eu ia alcançar a outra janela, só que eu não alcancei. Aí foi que eu pulei, me soltei”, conta a babá.

Os depoimentos de Raiana fez com que outras 6 mulheres, que já trabalharam para Melina, prestassem queixas contra atitudes agressivas e desnecessárias da ex-patroa.

Entenda o caso

Na manhã desta última terça-feira, 25 de agosto, uma mulher de 25 anos deu entrada na emergência do HGE (Hospital Geral do Estado) depois de pular do 3° andar de um prédio localizado no bairro do Imbuí, em Salvador. A suspeita é de que a babá saltou depois de ter pedido demissão para a patroa e a mesma a impedir de sair do apartamento. A polícia informou que ela está com suspeita de fratura nas pernas e escoriações pelo corpo. Está internada e não corre risco de vida.

A babá deu entrada na emergência do HGE (Hospital Geral do Estado) (Foto: Reprodução / UOL)

A babá morava na residência da família há 8 dias. A ex-patroa chamou a Polícia Militar pois a mulher teria supostamente batido em uma das três crianças que moram no local. Policiais militares da 39ª Companhia Independente da estiveram no local e levaram a mãe e a criança para a Derca (Delegacia Especializada de Repressão a Crime contra Criança e Adolescente), onde a suposta agressão será investigada..

Em nota, a PM informou que a babá “”para escapar, foi necessário pular do terceiro andar do prédio”. Ela contou aos policiais que estava sendo mantida em cárcere privado desde o último sábado, 21 de agosto, depois de ter pedido demissão e a patroa não aceitar a saída dela, trancando-a em uma banheiro. Ela ainda disse que sofreu diversas agressões físicas a todo momento e percebeu que não havia outra escapatória do que pular do apartamento.

A mulher fugiu o imóvel por uma janela, caiu e bateu no parapeito do segundo andar antes de atingir o térreo. “A paciente afirmou ter sofrido agressões e sido confinada em um cômodo da casa, além de ter seu celular retido pela empregadora. Diante da privação de liberdade, ela afirmou que se jogou do terceiro andar”, informou a Polícia Civil. Moradores e pessoas que passavam pelo local acionaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para socorrê-la para o hospital.

A busca pelo emprego

Antes de se tornar babá da família, a vítima morava em Itanagra, na Bahia, e se encontrava desempregada quando viu o anúncio de emprego na internet. Ela só conheceu os empregadores ao chegar em Salvador, já que aceitou o trabalho por uma conversa de telefone.

O caso foi registrado no posto policial do HGE depois que a vítima deu entrada ao ser socorrida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), e está em investigação na 9ª Delegacia Territorial, no bairro Boca do Rio. A Polícia Civil da Bahia informou que não serão repassados detalhes da investigação para não prejudicar a apuração do caso. Tanto o nome da babá, quanto o da patroa não foram divulgados.