Bebê sofre 3 paradas cardíacas após engasgar com gota de leite e sobrevive: “Milagre”

Bertie Spencer inalou o líquido com 17 dias de vida e não conseguiu mais respirar normalmente. Sem oxigênio, o coração do recém-nascido parou de funcionar

Resumo da Notícia

  • Um recém-nascido sofreu três paradas cardíacas após uma gota de leite materno entrar nos seus pulmões
  • Bertie Spencer, que tinha 17 dias de vida quando o caso ocorreu, engasgou com a mamadeira e acabou inalando o líquido pelo nariz
  • A mãe, Tonicha, de 23 anos, só percebeu que havia algo errado quando meia hora depois o bebê começou a ficar roxo

Um recém-nascido sofreu três paradas cardíacas após uma gota de leite materno entrar nos seus pulmões. Bertie Spencer, que tinha 17 dias de vida quando o caso ocorreu, engasgou com a mamadeira e acabou inalando o líquido pelo nariz. A mãe, Tonicha, de 23 anos, só percebeu que havia algo errado quando meia hora depois o bebê começou a ficar roxo.

-Publicidade-
A família comemorou a recuperação do caçula (Foto: Arquivo Pessoal)

O bebê foi levado imediatamente para o hospital naquele dia, em 21 de julho. Com a gota de leite nos pulmões, Bertie não conseguiu respirar corretamente e a falta de oxigênio fez o coração parar de bater. Segundo os pais, em entrevista ao Mirror, os médicos chegaram a aconselhar que a família se despedisse do pequeno.

“Eu estava em pânico e histérica, porque não tinha ideia do que estava acontecendo. E foi nesse momento que ele teve uma parada cardíaca pela primeira vez. Eu ficava repetindo ‘ele vai sobreviver?’, Mas ninguém sabia me dizer, porque não sabiam a resposta”, disse Tonicha.

-Publicidade-
Bertie sofreu três paradas cardíacas (Foto: Arquivo Pessoal)

Em um caso de “milagre”, de acordo com a equipe médica, o recém-nascido sobreviveu a uma situação que parecia quase impossível de contornar. Uma ressonância magnética mostrou que o cérebro de Bertie ficou sem oxigênio durante as paradas cardíacas e havia alguns danos na parte que controla o movimento. Ele pode ter paralisia cerebral e ter dificuldade em andar ou falar, mas só o tempo dirá.

O bebê se recuperou, mas pode ter sequelas (Foto: Arquivo Pessoal)

Bertie tem refluxo ácido, então inicialmente Tonicha não estava muito preocupada, pois o bebê já tinha engasgado antes. Mas meia hora depois, quando os lábios do filho caçula começaram a ficar azuis e depois o rosto, ela sabia que precisava correr por ajuda. “Quando estávamos no hospital, lembro-me de pensar que é o tipo de coisa que se vê na TV. Mas eu me sinto tão sortuda por Bertie. Nós não pensamos que ele iria sobreviver”, confessa a mãe. “Não sabemos como ele vai andar ainda, mas ele se move como um bebê normal, então temos esperanças.Bertie é realmente um milagre e estamos muito orgulhosos dele”, finaliza.

Sufocamento é a principal causa de acidentes em bebês

Ficar de olho em bebês e crianças menores de 4 anos durante e após as refeições é mais do que importante! Sabe por quê? A sufocação é a principal causa de acidentes fatais nessa faixa etária.  Segundo a ONG Criança Segura, os pequenos dessa idade são mais vulneráveis a situação, uma vez que as vias aéreas são menores e elas têm pouca experiência em mastigar e engolir a comida.

Por isso, a recomendação é de não agitar o bebê após a mamada. “Além disso, durante e logo após a amamentação, é importante mantê-lo em posição vertical, evitando colocá-lo para dormir ou trocar fralda”, explica Gabriela Freitas, gerente executiva da Criança Segura.

-Publicidade-