Brasil registra 1ª morte pela variante ômicron da Covid-19 em Goiás

A vítima tinha 68 anos, era portador de comorbidades e havia tomado as três doses do imunizante

Resumo da Notícia

  • Brasil registrou a primeira morte pela variante ômicron da Covid-19;
  • O idoso, de 68 anos, estava internado em Aparecida de Goiânia;
  • Segundo a Prefeitura da cidade, o homem estava vacinado com três doses da vacina contra o vírus
 

A primeira morte pela variante ômicron da Covid-19 foi registrada no Brasil. A informação foi divulgada pela Prefeitura de Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital de Goiás. A vítima é um idoso de 68 anos, portador de doença pulmonar obstrutiva crônica e hipertensão arterial.

-Publicidade-

De acordo com as informações fornecidas pela prefeitura local ao Ministério da Saúde, o idoso apresentou sintomas leves no dia 20 de dezembro. Seis dias depois, após passar por uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, com pressão baixa e má oxigenação, o homem foi levado a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Municipal.

Na madrugada do dia 27, às 1h31, a morte foi registrada e motivada por choque séptico. A prefeitura solicitou no dia 28 de dezembro a amostra do RT-PCR do paciente para analisar o sequenciamento genético. Nesta quinta-feira, 6, foi divulgado o resultado positivo para a detecção da variante ômicron.

O idoso de 68 anos havia doença pulmonar obstrutiva crônica e hipertensão arterial (Foto: Freepick)

Informações do G1 confirmam que o homem idoso estava vacinado com três doses. Ele havia recebido doses de vacina da Coronavac e o reforço da Pfizer. Mas os problemas de saúde pré-estabelecidos agravaram a situação.

A prefeitura informou ainda que o idoso tinha tido contato com um morador que a Secretaria Municipal de Saúde já havia confirmado como infecção pela variante.

Especialistas explicam que a vacinação contra a Covid-19 reduz o risco de morte pela doença e suas variantes. Eles afirmam ainda que os imunizantes disponíveis contra o coronavírus são para evitar o agravamento dos casos, mas que não há garantia de que possam impedir a reinfecção.