Brasileira que contratou barriga de aluguel na Ucrânia pede ajuda para buscar bebê: “Pedaço de mim do outro lado do mundo”

As mulheres não sabem nem que quer se suas gestantes estão seguras ou vivas. Elas não podem ir para a Ucrânia agora em meio à guerra

Resumo da Notícia

  • Uma mulher brasileira contratou serviços de barriga de aluguel na Ucrânia
  • Em meio a guerra, ela não sabe se sua gestante está segura
  • Ela tem fé de que tudo vai ficar bem com a mulher e com o bebê

Mulheres brasileiras que contrataram serviços de clínicas de barrigas de aluguel na Ucrânia tentam desesperadamente buscar seus bebês. Muitas não sabem nem se quer se suas gestantes estão vivas ou seguras. Em meio à guerra contra a Russia, ficou praticamente impossível viajar para o país, acompanhar o nascimento dos bebês e trazê-los para casa.

-Publicidade-
As mulheres não sabem se suas gestantes estão vivas
As mulheres não sabem se suas gestantes estão vivas (Foto: IStock)

Ainda não se sabe ao todo quantas brasileiras estão com filhos em barrigas de aluguel na Ucrânia, mas em pelo menos uma clínicas, já foi constatado que pelo menos dez casais brasileiros estão tendo seus bebês gerados agora no útero de mulheres ucranianas.

A procura por barrigas de aluguel ucranianas é grande, já que a prática é permitida por lei no país- diferentemente do Brasil. Em entrevista ao Fantástico, uma mulher abriu o jogo sobre os impasses desse processo.

As mulheres acreditam que o procedimento dará certo e que poderão ter seus filhos nos braços em breve (Foto: Getty Images)

Priscila acompanha do Brasil, por imagens de ultrassom, o desenvolvimento de seu filho, que vai nascer dentro de três semanas. “A gente tem muita fé que vamos conseguir sair do Brasil rumo a Kiev ou qualquer país vizinho. A gente já passou por muito sofrimento esse período todo lidando com a infertilidade. A gente vai conseguir realizar esse sonho. É um pedacinho da gente que está lá do outro lado do mundo. Está tudo aqui pronto, a família toda esperando por ele. É um menino, João Levi”, diz a mulher.