Brasileiros criam teste de R$ 10 que detecta anticorpos da Covid-19 em tempo recorde

Apesar de não indicar se a pessoa está contaminada naquele exato momento, a presença de anticorpos consegue prever a concentração para uma potencial vacina

Resumo da Notícia

  • O teste está sendo produzido pela Universidade Federal do Paraná
  • Foi possível ter o resultado de 96 testes em 15 minutos
  • O teste ajuda a identificar a presença de anticorpos
  • Pesquisadores falam da importância dos resultados para uma potencial vacina

Em apenas 15 minutos, pesquisadores da Universidade Federal do Paraná conseguiram realizar 96 testes rápidos, que detectam os anticorpos do novo coronavírus. Para facilitar o processo da testagem em massa, eles pensaram em um projeto à baixo custo.

-Publicidade-
O teste ajuda a medir a quantidade de anticorpos (Foto: Divulgação)

O professor bioquímico, Luciano Fernandes Huergos explicou o processo: “Desde o início da pandemia percebemos que um dos gargalos dos testes era a falta de material, por isso decidimos usar o nosso conhecimento bioquímico para resolver esse problema”. Feito em pessoas que já tiveram contato com o vírus, os testes de detecção de anticorpos foi feito ao custo de R$ 10.

Segundo o pesquisador, para se ter um resultado é necessário usar uma proteína do vírus. A partir do sequenciamento, já existente, é possível sintetizar o DNA e colher as informações. “Usamos duas proteínas que geravam uma boa resposta do sistema imunológico”, explicou Luciano.

-Publicidade-
Os pesquisadores orientaram sobre a importância dos resultados para uma eventual vacina (Foto: Divulgação)

Para produzir a proteína viral, o DNA do vírus é inserido em uma bactéria não patogênica. Segundo o professor, produzir o antígeno em laboratório também reduz os custos dos testes, que em sua maioria são importados. Após a primeira parte do processo, se faz a reação com o sangue do paciente contaminado.

Durante a reação química, caso a solução fique colorida, significa que a pessoa tem anticorpos contra o coronavírus, indicando que ela já foi contaminada em algum momento. Apesar de não identificar se o paciente está com o vírus naquele momento, é possível avaliar quantos já foram infectados.

Com isso, Luciano explica a importância do teste conseguir prever a concentração de anticorpos utilizados: “Assim conseguimos prever quanto tempo uma pessoa pode ficar imune e também avaliar se a resposta imunológica de uma futura vacina foi boa ou não”, conclui.

-Publicidade-