Cachorro testa positivo para o novo coronavírus nos EUA e precisa ser sacrificado

O animal foi diagnosticado com a doença depois que seu dono contraiu a COVID-19. Ele é o sexto cão a testar positivo para SARS-CoV-2 no país

Resumo da Notícia

  • Um cachorro testou positivo para a COVID-19 nos Estados Unidos
  • Ele é o 13º animal a contrair o novo coronavírus no país
  • Especialistas dizem que ainda não há provas de que os animais possam transmitir a doença para humanos

Um cachorro da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, testou positivo para a COVID-19. A informação foi divulgada no último dia 16, pelo Departamento de Agricultura do país. As suspeitas são de que o animal foi infectado depois de ter contato com o dono, que foi diagnosticado com a doença.

-Publicidade-
O cachorro foi diagnosticado com a doença depois que seu dono contraiu a COVID-19 (Foto: Christoph Schmid/Unsplash)

O cachorro era uma mistura de pastor-alemão e tinha cerca de 8 ou 9 anos, segundo o comunicado oficial do governo.  Ele não apresentou sintomas da COVID-19, mas precisou ser sacrificado porque já tinha uma doença crônica pré-existente.

Ao todo, 13 animais já foram diagnosticados com o novo coronavírus no país. O caso divulgado na última semana é o sexto entre cachorros. Tigres, leões e gatos também já foram infectados pela doença nos Estados Unidos.

-Publicidade-

Apesar da descoberta ser importante, os especialistas lembram que não há provas de que os animais sejam capazes de transmitir o novo coronavírus para os humanos. “Com base no conhecimento atual, ainda não existem evidências de que os animais de estimação tenham um papel significativo na disseminação do SARS-CoV-2 para as pessoas”, disse Boyd Parr, veterinário e diretor da Clemson Livestock Poultry Health (LPH).

O veterinário recomenda que pessoas infectadas com COVID-19 evitem o contato com seus animais de estimação. “Continua sendo uma boa ideia restringir o contato com seus animais de estimação e outros animais, assim como você faz com outras pessoas, se estiver infectado com COVID-19, para protegê-los da exposição ao vírus”, explicou.

-Publicidade-