Família

Casal conta como faz diferença na relação ir à terapia

Começaram a terapia quando tinham apenas 8 meses de relacionamento

Maria Luiza Cardone

Maria Luiza Cardone ,Filha de Carla e Luiz

Terapia de casal auxília no relacionamento(Foto: Getty Images)

Um casal de americanos continua fazendo terapia para casais mesmo tendo um relacionamento saudável. Eles contam que começaram a ir quando tinham apenas oito meses de relacionamento e a escolha de não parar foi a melhor que poderiam ter. A esposa, Irina Gonzalez, deu um relato para o portal Huffpost

Não tinha muitos problemas para os americanos corrigirem, mas queriam saber como se abrir mais, treinar a comunicação e trabalhar a segurança e confiança um no outro. Entretanto, os dois traziam bagagens de relacionamentos passados que precisam resolver.

“Quando conheci meu marido, fiz uma reabilitação, fui diagnosticada com um distúrbio de ansiedade e finalmente vi um terapeuta. Ainda assim, ir à terapia como um novo casal parecia um pouco assustador. Existem muitos estereótipos por aí sobre casais que precisam de terapia; sobre como esse é o último recurso antes de terminar. Eu queria acreditar em um romance de conto de fadas e no nosso começo de romance”, relatou a esposa.

O marido e sua mulher explicam que apesar de terem um relacionamento saudável, eles tinham algumas discussões, mas nada que atrapalhasse o amor deles. Assim, o medo de piorar a situação e a insegurança de nada dar certo, fizeram com que o casal desse um passo a frente.

Os americanos fizeram um acordo, que fora a terapia juntos, eles iriam buscar ajuda individual. Até por que, os problemas de cada um ainda estavam lá, o marido ainda tinha passado por uma experiência negativa e a esposa ainda tinha transtorno de ansiedade.

“Faz dois anos e meio desde que fomos ver um terapeuta de casais, e muita coisa mudou, mas permaneceu a mesma. Agora estamos casados ​​e planejamos começar uma família em breve. Passamos por tragédias juntos, mas permanecemos fortes. Viajamos toneladas, compramos uma casa e continuamos a trabalhar em nossa terapia individual – enquanto ainda assistimos nosso terapeuta de casais”, contou o marido.

Eles explicam, ainda, que a quantidade de sessões no mês depende do assunto que está em discussão. Atualmente, eles aumentaram pois estão planejando algumas mudanças de vidas, como ter um bebê. O casal afirma que está sendo ótimo abrir esse espaço para discussão.

“Dizer às pessoas que isso é apenas algo que fazemos como parte de nossa manutenção geral do relacionamento foi incrivelmente libertador e me ajudou a lidar com parte da minha própria vergonha e estigma internalizados em torno da terapia. Meu marido é uma pessoa muito reservada, então isso não é algo a que ele se relaciona, mas certamente fortaleceu minha determinação de que a terapia de casais é crucial no amor. Não importa o que mais alguém diga, estamos todos com problemas. E nem sempre é fácil encontrar maneiras de viver com outra pessoa em meio aos nossos próprios problemas”, disse Irina.

Para finalizar, o casal desabafou: “A parte do amor foi fácil para nós sim, mas reconhecemos desde o início que o resto seria um trabalho árduo. A terapia de casais, embora assustadora no começo porque parece admitir falha de nossa parte, tem sido parte da cola que nos une. Verificar com meu parceiro, conversar sobre o que está acontecendo em nossas vidas (e em nossas cabeças) e discutir o “trabalho duro” do casamento tem sido inestimável para nós”.

Fique por dentro do conteúdo do YouTube da Pais&Filhos:

Leia mais:

Garoto com autismo está entre os 3% melhores escoteiros dos EUA:”Há muitas coisas que ele pode fazer”

Mãe agradece Branca de Neve após reação carinhosa ao ver crise de criança autista

Mãe agradece comissários depois do filho autista deitar no corredor do avião