Casal conta como foi abandonar emprego para viver viajando em uma Kombi com os filhos

Os dois sempre sonharam em viajar por aí quando se aposentassem. Depois de algumas notícias ruins, eles decidiram antecipar essa escolha. Em entrevista em exclusiva à Pais&Filhos, eles contam detalhes da decisão

Resumo da Notícia

  • Casal abandona emprego e passa a morar em uma kombi com dois filhos
  • Eles sempre sonharam em sair viajando por aí
  • Alguns acontecimentos fizeram com que eles antecipassem a realização do sonho
  • Em entrevista exclusiva à Pais&Filhos, eles contam detalhes de como foi a tomada de decisão

Você provavelmente está achando complicado ficar dentro de casa com os filhos durante a quarentena. Afinal, dividir alguns cômodos com toda a família em tempo integral não é nada fácil. A Flávia Eliza Correa, 38 anos, e o marido, Eduardo Carmo de Sousa, sabem bem quais são as dificuldades de viver em um ambiente pequeno com os filhos. A diferença é que o casal decidiu se aventurar a viver dessa forma. Cansados da vida que estavam levando, os dois decidiram realizar o sonho que tinham e, em 2018, compraram uma VW Kombi Safari com um intuito: sair viajando por aí.

-Publicidade-
Eles sempre sonharam em viajar por aí (foto: arquivo pessoal)

A Kombi, então, passou a se tornar a residência (não tão) física da família, que já está na estrada há 2 anos. Em entrevista exclusiva à Pais&Filhos, o casal contou um pouco sobre essa decisão e compartilhou quais são as felicidades e angústias de viver dessa forma: em um espaço pequeno, mas com o mundo sob às rodas.

Flávia contou que tudo começou com a chegada do primeiro filho, Eduardo Filho. Viajar o mundo ou se mudar para o litoral sempre foi o sonho do casal, de Anápolis, Goiás e, depois da vinda do bebê, eles decidiram começar a colocar o sonho em prática. Como se mudar para o litoral parecia mais viável, foi o que os dois fizeram no primeiro momento. “O Eduardo (pai) já estava muito cansado e desmotivado com o trabalho e eu também, então pensamos bem e decidimos nos mudar para a beira da praia, em Itacaré, na Bahia”.

-Publicidade-

Os familiares do casal, no entanto, não gostaram muito da decisão. O pai de Flávia começou a ter alguns problemas de saúde e passou por 6 infartos durante o período em que os dois estavam morando no litoral. Para conseguir cuidar dele e estar mais próximo da família durante esse período, os dois decidiram voltar para a cidade natal. “Mas o bicho da viagem já tinha pego nós lá”, brinca Eduardo. “Sim, essa coisa de ser viajante já estava na gente”, concorda Flávia.

A decisão

A decisão não foi nada fácil (Foto: arquivo pessoal)

“Então a gente voltou, o Eduardo terminou o curso de direito e eu continuei trabalhando em empresas grandes, como sempre fiz e decidimos aumentar a família e comecei a tentar engravidar”. Apesar de terem voltado para perto da família, o casal sempre que podia viajava por aí com o filho e faziam questão de voltar para visitar Itacaré quando tinham a oportunidade.

Foi então que, em uma dessas viagens para Itacaré, eles conheceram uma família que estava morando em uma Kombi com 3 crianças, para viajar e conhecer novos lugares. “A gente já estava com um pensamento de viajar assim e então conhecemos uma família que estava vivendo exatamente como queríamos viver”, relembra Eduardo. A partir daí, foi questão de tempo até o casal encontrar formas de viabilizar o sonho, além de conseguir achar o veículo perfeito para se adaptar às necessidades da família.

Algumas coisas que aconteceram acabaram incentivando o casal a apertar o acelerador. “Minha mãe teve câncer e acabou falecendo 7 dias depois de aposentar. Tudo isso nos fez pensar. Nossa ideia era aposentar e, depois disso, fazer uma viagem desse jeito, mas o caso da minha mãe me fez refletir e pensar que as vezes a vida não acontece como a gente espera”, conta Eduardo. Tendo isso em mente, eles resolveram que não iriam esperar mais para começar a realizar os sonhos. “Quando a gente saiu, eu já estava grávida de 3 meses, do Noah”, lembra Flávia.

Falta de apoio

A família não apoiou muito a decisão (Foto: arquivo pessoal)

Quando ouviram a decisão de Flávia e Eduardo, os amigos e familiares não concordaram. “A família e os amigos mais próximos foram os que menos apoiaram. Eles achavam que a gente era louco”, conta Eduardo. Apesar de terem ficado desapontados com a reação de todos, o marido contou que entendeu as críticas. “Eu acho que eles estavam querendo proteger a gente. Eles acreditavam que essa decisão não ia fazer bem pros nosso filhos e pra nossa carreira”. Como estavam motivados a percorrer o próprio caminho, o advogado e a gestora de RH encararam a falta de apoio como um desafio e resolveram que não iriam deixar as opiniões abalarem a escolha da família.

Mas e os estudos?

Eles já conheceram 4 países (Foto: reprodução Instagram)

Uma coisa que muitos familiares e amigos questionavam era à respeito dos estudos dos filhos, já que o Eduardo Filho já estava no ensino fundamental. “Uma das principais adaptações que fizemos foi essa questão dos estudos”, explica o pai. Primeiro, eles tentaram falar com o governo da cidade, para conseguir alguma coisa para viabilizar o homeschooling, mas a tentativa não deu certo. “Eles falaram que era impossível, fora de cogitação, até ameaçaram a gente, falando que se soubessem que nossos filhos estavam fora da escola iam denunciar pro conselho tutelar”.

Eles conheceram 4 países (Foto: Arquivo pessoal)

Tendo isso em vista, a família buscou uma outra ajuda e foi falar com a professora de Eduardo Filho, que encontrou uma forma de ajudá-los. “Ela acompanhou ele desde o início, ela mandava pra gente o plano de ensino e a Flávia ficava encarregada das aulas. Ele estudou todos os dias e se saiu muito bem”.

Durante a viagem, o casal começou a sentir a necessidade do filho mais velho interagir com outras crianças e vivenciar a rotina de uma escola. Foi então que, quando chegaram na Argentina, decidiram parar por um tempo, para o garoto vivenciar a vida escolar. “Em Bariloche paramos por um tempo. Ele ficou por dois meses na escola e terminou a 3° série ali. Por isso, ele ganhou um certificado de proficiência em Espanhol. Ele fala, lê, escreve. Pra gente isso é um orgulho muito grande”, conta Flávia.

Uma grande viagem

Eles chegaram até Ushuaia (Foto: arquivo pessoal)

Durante o trajeto, Eduardo, Flávia, Eduardo Filho e Noah passaram por quatro países: Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. Apesar dos grandes dilemas que enfrentaram para tomada de decisão, hoje eles colhem os frutos positivos dessa escolha. “Eu não consigo ver malefícios para as crianças. Eles se alimentam bem, se desenvolvem bem, têm um convívio muito bom com as pessoas, porque estão acostumados a estar sempre com pessoas diferentes”, afirma o pai.

Enquanto viajam, os quatro carregam consigo milhares de pessoas, ao compartilhar cada detalhe das aventuras nas redes sociais. O Instagram @familia_ducerrado conta com cerca de 14 mil seguidores e o YouTube já acumula 3,56mil inscritos. Nos vídeos e publicações, eles contam um pouco sobre essa realidade tão diferente, trazendo dicas para famílias que sonham em fazer o mesmo.

A hora de apertar o freio

Com a pandemia, eles decidiram voltar para casa por um tempo (Foto: arquivo pessoal)

Devido à pandemia de coronavírus, o casal precisou puxar o freio de mão e parar por um tempo. Eles voltaram a morar em uma casa para conseguir passar por esse período angustiante e os planos precisaram ser interrompidos. Apesar de precisarem parar por um tempo, a família está se adaptando bem à rotina em casa. “Eu vejo muitos casais brincando da dificuldade de conviver com a esposa ou com o marido nesse momento e a gente já está acostumado né, vivemos assim há 2 anos”, conta Eduardo.

O filho mais velho também está conseguindo passar por esse período de forma leve. “O Eduardo Filho voltou as aulas tradicionais e está fazendo as aulas online por conta da pandemia. Mas a gente vê que ele está muito na frente, porque ele já está fazendo essas aulas em casa há muito tempo”.

Eles amaram a experiência (Foto: reprodução Instagram)

Mas claro, nem tudo são flores. “Relacionamentos sempre têm seus problemas. Estando em uma Kombi ou em uma casa. A educação dos filhos, a mesma coisa. Mas assim a gente consegue, pelo menos, resolver nossos problemas enquanto curtimos ao máximo a vida por aí”, finaliza Eduardo. Quando a pandemia terminar e tudo voltar a funcionar como estávamos acostumados, a família já tem planos de voltar para a Kombi e viver sobre quatro rodas, colecionando momentos.

-Publicidade-