Casal conta sobre o processo de adoção dos três filhos: “É brilhante!”

O objetivo do relato é para falar da importância da adoção e deixar de lado alguns equívocos sobre o assunto

Resumo da Notícia

  • Casal contou sobre o processo de adoção
  • Eles adotaram três filhos
  • Phil e Chris querem também deixar de lado alguns equívocos que as pessoas colocam sobre o assunto

O casal Phil e Chris, adotou três filhos e usou as redes sociais para compartilhar a história do desenvolvimento “fenomenal” que eles tiveram nesse período. Os meninos Nathaniel, de 10 anos, e os irmãos biológicos Oliver, de 8 anos e Charles de 6 moram com eles em Wirral, Merseyside, na Inglaterra.

-Publicidade-

Eles compartilharam a história com a Adoption em Merseyside, ao Liverpool Echo, com o objetivo de ajudar as pessoas que pretendem adotar filhos e para deixar de lado alguns equívocos sobre esse assunto. Relacionando, especialmente, sobre eles conseguirem superar as dificuldades passadas com a realidade atual.

Ele também contou sobre como foi o processo de adoção. “Nossa primeira jornada de adoção começou em 2011 e decidimos que queríamos adotar em vez de fazer algo como barriga de aluguel”, contou. “Predominantemente, queríamos pegar uma criança que pode não ter tido um bom começo de vida e dar a ela um lar amoroso e acolhedor”, disse.

Casal conta sobre o processo de adoção dos filhos
Casal conta sobre o processo de adoção dos filhos (Foto: Reprodução / Getty Images)

“Eu venho de uma família de quatro meninos e sempre cresci com um ótimo vínculo de irmão com meus irmãos mais novos, e meu parceiro Chris, ele tem uma irmã, então dissemos que seria o que queríamos fazer”, continuou. No entanto, decidiram adiar os planos e adotar os filhos oficialmente em 2013.

Phil descreveu o início do processo de adoção como um  “abridor de olhos” devido à quantidade de informações que que é necessário fornecer sobre o relacionamento e como indivíduo.

“Você pode adotar se for solteiro, pode adotar se não tiver sua própria casa, pode adotar se for um casal do mesmo sexo e às vezes há aquela visão de que vai haver discriminação quando ela não existe”, disse. “Nós nunca experimentamos qualquer tipo de discriminação nessa área e acho que é esse equívoco”, contou.

Tempos depois, eles decidiram dar um irmão ao filho. “Provavelmente havia menos crianças disponíveis para serem adotadas na época e vimos o perfil dele em um site chamado Link Maker – é um sistema fechado que ajuda a tentar encontrar correspondências para crianças. Percebemos que ele estava em nossa área local, queríamos sempre ter um filho na área local, principalmente porque novamente é levar uma criança que pode não ter se divertido e começar a vida, mas poderia ter dado a eles uma família amorosa”, contou.

“E então descobrimos que ele também tinha um irmão e eles estavam juntos em um orfanato”. Phil disse que eles começaram a fazer perguntas do porquê que os irmãos não queriam ser adotados juntos. E descobriram que “muito disso era porque [Oliver] tem necessidades significativas, então deficiências”.

“Nosso filho mais velho também tem deficiências e dissemos que realmente não queremos vê-los separados, talvez possamos explorar a opção de adotá-lo também”, contou o pai.

Charlie, de seis anos, foi apresentado à casa do casal em junho de 2018 e seu irmão Oliver, de oito anos, mudou-se em setembro para adoção. No primeiro dia em que Oliver conheceu o filho mais velho do casal, Nathaniel, Phil disse: “Nós caminhamos até a escola e eles andaram de mãos dadas até a estrada”. “Então, quando ele teve que voltar para casa para o cuidador adotivo, ele ficou muito chateado, mas isso é apenas parte das instruções. E agora, eles andam de mãos dadas, abraçados e simplesmente não se separam”, contou.

“Eles também querem seu próprio espaço, então, se quiserem o espaço em outro lugar, eles vão para outro quarto e todos têm diferentes tipos de hobbies”, continuou. “Acho que foi uma experiência incrível, o melhor que posso dizer, ver o desenvolvimento de todas as crianças nas diferentes áreas foi fenomenal”, afirmou.

“Acho que quando às vezes você vê no papel essa criança e tem todos esses problemas e questões, mas de repente eles estão atendendo e superando essas expectativas, é simplesmente brilhante”, concluiu.