Casal desiste de adoção depois de 1 ano e abandona filhos na delegacia

Segundo informações do portal Infobae, Eduardo Rucci e Natacha Perrig justificaram a ação dizendo que estavam passando por problemas pessoais

Resumo da Notícia

  • Um casal de argentinos abandonou dois irmãos de 6 anos em uma delegacia local em Bahia Blanca, Buenos Aires, após adotá-los em 2019
  • Eduardo Rucci e Natacha Perrig justificaram a ação dizendo que estavam passando por problemas pessoais
  • O caso está sendo avaliado como um crime de caráter gravíssimo

O processo de adoção nem sempre acontece como deveria. Um casal de argentinos abandonou dois irmãos de 6 anos em uma delegacia local em Bahia Blanca, Buenos Aires, após adotá-los em 2019. Segundo informações do portal Infobae, Eduardo Rucci e Natacha Perrig justificaram a ação dizendo que estavam passando por problemas pessoais.

-Publicidade-
Os irmãos têm 6 anos (Foto: Reprodução / Infobae)

Os gêmeos nasceram em Guiné-Bissau, na África ocidental. Além deles, o casal também tinha uma filha biológica de 11 anos. Uma vizinha disse em entrevista que eles passariam uma família “comum”. “Eles chegaram a San Martín no final de janeiro em busca de uma nova vida, os meninos estavam na escola. Eles deram a sensação de que estava tudo bem. Não dá para acreditar, pareciam uma família amorosa, estamos todos chocados”, admitiu.

O casal adotou os gêmeos em 2019 (Foto: Reprodução / Infobae)

Outros moradores da região disseram que já tinham visto Eduardo e Natacha saindo apenas com a filha biológica e que frequentemente a mãe falava sobre estar esgotada. “Se tivessem problemas financeiros, teriam avisado. Ele voltou sem os dois filhos e não houve uma reclamação de nada”, disse um vizinho que viu quando o homem saiu com os gêmeos no dia 17 de novembro e voltou sozinho.

-Publicidade-

O caso está sendo avaliado como um crime de caráter gravíssimo. Além de crime de descumprimento dos deveres de assistência à família, os dois estão sendo investigados por fraude de migração e possível adoção ilegal. Os irmãos de 6 anos tiveram os nomes alterados a chegar na Argentina e não possuem documento de identidade.