Casal é preso após manter filho aprisionado em caixa por cinco anos

Timothy e Tracy Ferriter mantinham o filho adotivo de 13 anos ficava aprisionado ao menos 18 horas por dia

Resumo da Notícia

  • Casal foi preso após manter filho aprisionado em caixa por cinco anos;
  • Timothy e Tracy Ferriter mantinham o filho adotivo de 13 anos ficava aprisionado ao menos 18 horas por dia;
  • Outras três crianças viviam na casa dos Ferriter e todas foram encaminhadas a um abrigo do Serviço de Proteção à Criança.

Um casal da Flórida foi preso quarta-feira, 09 de fevereiro, após ter forçado seu filho, de 13 anos, a viver em uma pequena estrutura trancada dentro da garagem de sua casa por vários anos.

-Publicidade-

O caso foi descoberto pelo departamento de Polícia da cidade de Júpiter após os pais do menino, filho adotivo do casal, terem dado o menino como desaparecido no dia 30 de janeiro.

Um detetive encontrou a estrutura de 2,40 metros por 2,40 metros com uma fechadura e um interruptor de luz na parede externa durante uma investigação de crianças desaparecidas, de acordo com a Polícia de Júpiter.

Na caixa de madeira, o garoto passava pelo menos 18 horas por dia e só era autorizado a sair para ir à escola, recebia as refeições e seu banheiro era o balde, sendo vigiado por uma câmera.

Timothy e Tracy Ferriter mantiveram o menino preso desde 2017, segundo investigações
Timothy e Tracy Ferriter mantiveram o menino preso desde 2017, segundo investigações (Foto: Gabinete do Xerife do Condado de Palm Beach)

A mãe, Tracy Ferriter, afirmou às autoridades que o espaço era usado como escritório e para guardar objetos, disse a polícia. No entanto, em depoimento aos oficiais, o garoto contou que a estrutura era usado com uma finalidade extremamente chocante e o adolescente de 13 anos ficou aprisionado desde pelo menos 2017.

Outras três crianças viviam na casa dos Ferriter e todas foram encaminhadas a um abrigo do Serviço de Proteção à Criança. Os irmãos da vítima confirmaram muitos detalhes e o juiz sentenciou o casal à abuso infantil agravado e cárcere privado dadas ao casal, com fiança de US$ 50.000 para cada um dos acusados e também proibiu o contato com qualquer uma das quatro crianças, a não se que elas estivessem acompanhadas por uma autoridade.