Família

Casal homoafetivo adota recém-nascido abandonado na rua e emociona ao contar história: “Ato de amor”

Benjamin e Louis vieram da França e adotaram a criança no Brasil

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Coisa linda! (Foto: Reprodução / Instagram / @viniciuscanoplanes) 

Hoje é Dia Nacional da Adoção e nada melhor do que conhecer uma história incrível e inspiradora, né? Por isso, decidimos compartilhar a trajetória emocionante de  Benjamin Cano Planès e Louis Planès, um casal de franceses que se mudaram para o Brasil há anos, e conheceram um amor totalmente diferente: ser pai.

Há 7 anos, o casal decidiu vir para o país com o objetivo de iniciar um novo empreendimento, um hotel boutique no Rio de Janeiro. Os dois além de esposos, eram sócios e amigos. Com o tempo, decidiram que faltava algo para completar a família e deixar tudo melhor ainda. Benjamin e Louis começaram o processo de adoção entrando com a habilitação na Vara da Infância e da Juventude e durante 1 ano, a rotina ficou completamente diferente por causa das consultas com psicólogos e assistentes sociais para obter um estudo da condição familiar.

O menino foi adotada por dois pais francêses (Foto: Reprodução / Instagram / @viniciuscanoplanes)

Quando foram aprovados e pensaram que a espera já tinha acabado, foram mais dois anos de muitas expectativas e acompanhando de perto todo o processo para saber se havia uma criança disponível para os dois. Até que o grande dia chegou: um recém nascido, que depois descobriram que era Vinicius, estava esperando por eles.

O menino nasceu na rua com menos de 1kg, foi reanimado na ambulância do SAMU e abandonado no hospital. Sem pensar duas vezes, Benjamin e Louis foram para a Bahia encontrar o garoto e a conexão já começou dalí. Depois de 7 meses e meio, Vinicius saiu da UTI e os pais puderam buscá-lo na maternidade. Dia 11 de maio de 2017.

Vinicius com o pai! (Foto: Reprodução / Instagram / @viniciuscanoplanes)

“Adotar uma criança no Brasil foi mais um ato de amor pelo país que nos deu muita sorte, eu me senti e me sinto brasileiro desde a primeira hora. O melhor presente da minha vida é meu filho e quem me deu foi meu país de adoção”, conta Benjamin emocionado ao relembrar sua história.

Leia também:

“Lá em casa é assim: um por todos e todos por um!”, conta Paloma Santos

“A culpa toma um café lá em casa, mas ela não tem quarto de hóspedes”, afirma Cris Guerra

Lá em casa é assim: “Morar em uma casa compartilhada é entender que o mundo é muito maior”