Caso Ester: polícia procura assassino de menina que foi baleada e morta em briga de vizinhos

Criança de 4 anos foi atingida com um tiro no peito em meio a uma discussão por vaga de garagem, em Santo André, em São Paulo. O atirador continua foragido e o crime segue sendo investigado

Resumo da Notícia

  • Em briga de vizinhos, Ester foi atingida com um tiro no peito
  • O pai da criança tentou socorrer a menina mas ela não resistiu
  • Após cometer o crime, o assassino fugiu com a companheira
  • A briga entre os vizinhos é antiga, ela acontece desde 2018

No domingo, 11 de julho, a menina Ester foi morta com um tiro no peito, aos 4 anos de idade, em Santo André. Em uma briga por vaga de garagem, os vizinhos se exaltaram e agora o assassino está sendo procurado pela polícia.

-Publicidade-

Ester chegava de carro com o pai, a mãe, e mais três crianças da família quando foram abordados pelo vizinho Bruno Freitas. Ele saiu armado de casa e começou a atirar várias vezes contra o carro da família, logo em seguida ele fugiu. De acordo com investigações, o crime foi motivado por uma antiga briga por vaga de garagem que acontecia entre os vizinhos desde 2018.

Os tiros acertaram o peito da menina. O pai, que estava ferido por também ter sido atingido correu com ela até a Santa Casa de Santo André, mas não conseguiu chegar a tempo de  salvá-la. O corpo da criança foi velado na segunda-feira, 12 de julho.

Ester foi assassinada em briga por vaga de garagem (Foto: Reprodução/ G1 / TV Globo)

Segundo o portal G1, a delegada Natalie Rodrigues, que investiga o caso, disse: “Os fatos ocorreram por causa de desavenças antigas. Já havia um histórico de brigas entre as partes. Inclusive a vítima disse que já tinha sido ameaçada de morte pelo autor”. O crime foi registrado como lesão corporal, tentativa de homicídio e homicídio.

Ao SP1, uma testemunha que prefere não se identificar, contou que Jorge de Oliveira, o pai de Ester, parou o carro e desceu com a menina no colo e segurava a mão de outra criança. Bruno Freitas teria aparecido nesse momento com a arma na mão e atirado contra a família.

A mãe de Ester teria entrado em luta corporal com o homem, mas ele conseguiu fugir com a companheira. A testemunha relatou: “Ela tentou segurar ele, né, pra ele não fugir. Ele já tinha descarregado toda a arma. Aí ele começou a dar coronhada nela, e fugiu junto com a esposa dele”. As investigações policiais levaram aos parentes da família, que contaram que a companheira de Bruno é prima da mãe de Ester.

Ester foi assassinada no domingo, e Bruno segue sendo procurado pela polícia (Foto: Reprodução/ G1 / TV Globo)

Eles todos moravam em uma viela e precisavam revezar uma única vaga de garagem. As discussões começaram em 2018 por demora para liberar essa vaga. Em uma dessas brigas, Bruno foi esfaqueado, e o conflito foi parar na delegacia. A partir disso,  Bruno  tem ameaçando a família que decidiu deixar o bairro.