Caso Henry: Jairinho responde por tortura contra filhas de ex-namoradas

As crianças prestaram depoimento na delegacia e confirmaram o crime

Resumo da Notícia

  • O vereador Dr. Jairinho foi indiciado pela Polícia Civil pelo crime de tortura contra a filha de uma ex-namorada;
  • As crianças prestaram depoimento na delegacia e confirmaram o crime;
  • Se condenado, a pena de Jairinho pode somar mais oito anos.

Nesta sexta-feira, 30 de abril, o vereador Dr. Jairinho foi indiciado pela Polícia Civil pelo crime de tortura majorada contra a filha de uma ex-namorada. As crianças prestaram depoimento na delegacia e confirmaram o crime.

-Publicidade-

O delegado responsável pelo caso afirmou que um inquérito foi enviado ao Ministério Público com diversas provas e laudos periciais, e por isso, a polícia pediu a prisão preventiva do parlamentar. Se condenado, a pena de Jairinho pode chegar a oito anos – a serem somados com os crimes do caso Henry.

(Foto: Reprodução / TV Globo)

As crianças, de 13 e 8 anos, foram ouvidas na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). De acordo com informações do O Globo, as agressões já haviam sido relatadas pelas mães das crianças ao delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP na Barra da Tijuca, durante a investigação que apura a morte do menino Henry, de 4 anos.

A mãe da menina de 13 anos, contou que a filha da cabeleireira foi uma das primeiras mulheres que tiveram relação com Jairinho. A garota disse que o médico chegou a bater a cabeça da criança contra a parede de um box de banheiro e foi pisada por ele nos fundos de uma piscina para que não conseguisse levantar e respirar.

(Foto: Reprodução/ G1)

Durante a apuração, a avó da menina chegou a ser ouvida e disse que questionou Jairinho sobre um machucado que viu na neta. Na época, o médico teria afirmado que o ferimento foi provocado por uma batida no console do carro após uma brusca freada. Em outra ocasião, ela disse que viu a neta com um braço imobilizado e o padrasto afirmou que a lesão havia sido provocada durante as aulas de judô. O professor, no entanto, negou ter conhecimento do episódio. Ao ser preso no dia 8 de abril, Jairinho prestou depoimento ao delegado Adriano Marcelo Firmo França, titular da DCAV, e negou as acusações feitas pela ex-namorada.