Caso Madeleine McCann: Suspeito fala pela primeira vez sobre desaparecimento da menina em carta

Christian Brueckner foi levantado como suspeito de sequestrar e matar Madeleine no ano passado, quando o caso completou 13 anos sem solução

Resumo da Notícia

  • O caso do desaparecimento de Madeleine McCann é um dos mais famosos do mundo, e está sem solução há 14 anos
  • Em 2020, o alemão Christian Brueckner surgiu como mais novo suspeito do caso
  • Christian já foi acusado do sequestro de outras crianças e de tráfico de drogas
  • O alemão falou pela primeira vez sobre as acusações em carta data de 8 de maio deste ano

O Caso Madeleine McCann parece apresentar novo desfecho depois de mais de 13 anos sem solução. Isso porque, no ano passado, um novo suspeito primário do sequestro e assassinato de Madeleine surgiu na cena: Christian Brueckner. O alemão já foi acusado do sequestro de outras crianças e foi condenado por tráfico de drogas.

-Publicidade-

Nesta segunda-feira, 14 de junho, o jornal alemão Bil revelou que teve acesso a uma carta escrita por Christian e datada de 8 de maio deste ano – na qual o acusado fala pela primeira vez sobre o caso. Em depoimento escrito à mão, ele afirmou que os promotores responsáveis pelo caso deveriam abandonar os cargos, e que são uma “vergonha para o sistema jurídico alemão”.

“Incriminar uma pessoa acusada é uma coisa”, declarou no registro. “Outra coisa completamente diferente – especificamente, um inacreditável escândalo – é quando um promotor público começa uma campanha pública por preconceitos antes que o processo seja aberto”. O acusado ainda levantou uma polêmica discussão sobre liberdade de expressão aos destinatários da correspondência.

“Liberdade de expressão não é um direito básico que todos podem dizer e escrever o que querem. Liberdade de expressão não protege a maioria. Ela protege a minoria. Não protege as visões mais lógicas, mais convincentes ou populares, mas a posição que é diferente”. Além da carta, foi anexado um desenho feito por Christian em que os dois promotores estão fazendo pedidos em um restaurante, e declaram: “Eu quero um filé forense!” e “Que delícia! Eu também!” – falas referentes ao fato de que os investigadores não tinham “evidências forenses” sobre o caso.

A carta veio ainda acompanhado de um desenho feito pelo acusado (Foto: Reprodução/ Bild)

A carta é finalizada com um apelo do acusado. “Eu apelo que os promotores públicos renunciem seus postos. Ambos estão provando ao mundo que através da minha condenação arbitrária no passado e através de sua escandalosa campanha pré -negação contra mim, uma pessoa inocente, no presente, que eles são impróprios para o cargo como advogados para o honesto e confiante povo alemão – vocês trazem vergonha ao sistema judiciário”.

Relembre o caso

Madeleine McCann tinha três anos de idade quando sumiu na noite do dia 3 de maio de 2007. A menina estava de férias com a família na Praia da Luz, em Portugal. Ela e os irmãos estavam dormindo em um quarto do hotel em que estavam hospedados enquanto os pais, Kate e Gerry McCann, iam jantar com um casal de amigos. Quando retornaram do passeio, Madeleine tinha sumido.

O caso está há 14 anos sem solução (Foto: Getty Images)

O caso já passa por uma investigação de mais de 10 anos – sem perspectiva de solução. Diversos suspeitos já foram levantados sobre o sumiço da menina – até os próprios pais, acusados de terem escondido o corpo da filha após um acidente fatal. Nenhuma linha de investigação foi concluída – principalmente por falta de provas. Madeleine já foi vista em mais 100 países, mais de 9 mil vezes – e todas as pistas eram falsas.