Caso Miguel: “Por mim, seria prisão perpétua”, disse mãe da vítima sobre a condenação de Sari Corte

Mirtes Renata Santana de Souza não aceitou a decisão da Justiça de condenar Sari Corte Real à oito anos e seis meses de prisão

Resumo da Notícia

  • Mirtes Renata Santana de Souza não concordou com a decisão da Justiça da condenação de Sari
  • A mulher foi condenada à oito anos e seis meses de prisão
  • Relembre o caso

A mãe do menino Miguel, Mirtes Renata Santana de Souza, não achou justa a condenação de oito anos e seis meses de prisão de Sari Mariana Costa Gaspar Corte Real. Segundo informações dadas pelo portal g1, Mirtes queria que a prisão fosse por tempo indeterminado.

-Publicidade-

“Por mim, seria prisão perpétua, mas infelizmente aqui no Brasil não tem isso. Então era para ter a pena máxima, de 12 anos”, disse a mãe da vítima.

O menino Miguel caiu do 9° andar de um prédio após ser deixado aos cuidados da ex-patroa, Sari Corte Real. A mãe afirmou que só irá descansar após Sari estiver, de fato, presa. Mesmo com a condenação, a mulher está solta, pois a Justiça determinou que ela poderá recorrer em liberdade.

Caso Miguel: "Por mim, seria prisão perpétua", disse mãe da vítima sobre a condenação de Sari Corte
Caso Miguel: “Por mim, seria prisão perpétua”, disse mãe da vítima sobre a condenação de Sari Corte (Foto: Reprodução / Facebook Mirtes Renata)

“A gente só vai ficar satisfeito mesmo quando Sari tiver atrás das grades. Essa é a justiça que eu quero. Não só Sari condenada, mas presa. Atrás das grades, porque ela cometeu um crime. Então ela não é diferente, ela tem que ficar também”, afirmou Mirtes.

A condenação de Sari Mariana

Nesta terça-feira, 31 de maio, a Justiça de Pernambuco condenou Sari Mariana Costa Gaspar Corte Real a oito anos e seis meses de prisão, por abandono de incapaz resultando em morte. A mulher foi apontada como responsável pela morte do garoto, Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos.

A fatalidade aconteceu no dia 2 de junho de 2020 e irá completar 2 anos nesta semana. A mulher foi condenada na 1ª Vara dos Crimes contra a Criança e o Adolescente em Recife. Segundo a sentença que a mulher terá que cumprir, a prisão será em regime fechado.

Porém, Sari Mariana vai recorrer em liberdade. Conforme fala do juíz do caso, José Renato Bizerra: “Não há pedido algum a lhe autorizar a prisão preventiva, a sua presunção de inocência segue até o trânsito em julgado da decisão sobre o caso nas instâncias superiores em face de recurso, caso ocorra”.

A mulher é ex-primeira dama de Tamandaré, e foi denunciada pelo Ministério Público de Pernambuco pelo abandono de Miguel (incapaz) com resultado em morte, com agravantes de cometimento de crime contra o garoto . A sentença foi divulgada no início da noite desta terça feira.

Miguel
Miguel faleceu ao cair do 9º andar do edifício Pier Maurício de Nassau, bairro de Santo Antônio (Foto: Reprodução / Facebook Mirtes Renata)

Sobre as defesas

Segundo o advogado Rodrigo Almendra, a mãe de Miguel não ficou nada contenta com a sentença e vai recorrer a de isso judicial. “Ela entende, na condição de mãe, vítima, que está há dois anos aguardando a decisão, que a pena foi branda em relação às expectativas que ela fez durante todo esse processo. Por esse motivo, a assistência de acusação pretende recorrer da decisão ainda que o Ministério Público não o faça, com o propósito de maximizar a pena imposta agora” falou o advogado.

Já, o advogado de Sari, Pedro Avelino, disse que vai recorrer pela inocência da mulher: “A gente desconhece a fundamentação da sentença, já que a defesa não foi intimada da sentença. Mas podemos garantir apelar da sentença esperando que o Tribunal de Justiça reforme a sentença condenatória. Ela vai recorrer em liberdade e esperar que o TJPE reverta e ela seja absolvida”.

Relembre o caso

Miguel Otávio, tinha 5 anos de idade, e faleceu após cair do 9º andar de um prédio localizado no centro de Recife. A morte do menino vem causando muitas repercussões. Acontece que Miguel era filho da empregada da residência e estava com a patroa da mãe que alegou um acidente. A mulher foi pega em flagrante na terça-feira, 2 de junho de 2020 e foi acusada de homicídio culposo e saiu da prisão após pagar fiança de 20 mil reais. As autoridades alegaram que foi um caso de negligência.

Um ano depois da morte de Miguel, o caso segue sem solução
Mãe de Miguel fica inconformada com as alegações da defesa de Sari (Foto: Reprodução / Facebook Mirtes Renata)

A mulher cuidava do menino enquanto a mãe passeava com os cachorros na rua. Mirtes Rena, mãe do garoto, disse em entrevista à Globo: “Ela confiava os filhos dela a mim e a minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar [do elevador]. Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança”.