Casos de mão-pé-boca aumentam com volta às aulas: veja os sintomas e como prevenir seu filho da doença

O vírus causador da doença pode atingir tanto crianças como adultos, fazendo com que surjam bolhas e lesões avermelhadas nas mãos, nos pés e na boca

Resumo da Notícia

  • Mão-pé-boca é uma doença ocasionada pelo vírus Coxsackie
  • Ela provoca o aparecimento de bolhas e lesões vermelhas na pele
  • Não existe vacina, mas os pais precisam ficar alertas para os métodos de prevenção

Criança corre, pula, dança, brinca, está sempre ligada nos 220 e a gente sabe que isso nunca vai mudar! É importante sim ser criança, descobrir coisas novas, fazer amigos e se divertir, mas a atenção e o cuidado dos pais deve sempre estar presente, principalmente quando o assunto é doença contagiosa.

-Publicidade-

Com as creches e escolas retomando as aulas, e as crianças e adolescentes voltando a se reunir, estão crescendo os casos da síndrome mão-pé-boca, provocada por um vírus que acomete com mais frequência as crianças menores de cinco anos. Especialistas avaliam que a volta dessa doença era esperada com o retorno às aulas. Com o fechamento das escolas no ano passado, as crianças ficaram protegidas, mas agora podem ter uma memória imunológica menor.

Na cidade de Ourinhos, em São Paulo, surtos da doença levaram ao fechamento temporário de nove escolas com o objetivo de controlar o número de casos. O mesmo aconteceu em Chapecó, Santa Catarina, durante as últimas semanas de setembro. Já em Natal, no Rio Grande do Norte, houve crescimento de diagnósticos em agosto. A Baixada Santista também voltou a registrar novos casos da doença. Frente a isso, os pais precisam ficar alerta e ensinar bons hábitos de higiene para os filhos, para que o vírus não entre dentro de suas casas.

O que é “Mão-pé-boca”? 

Estomatite enteroviral vesicular, mais conhecida como “Mão-pé-boca” é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus Coxsackie, da família dos enterovírus que normalmente habitam o sistema digestivo. O nome da doença está relacionado ao fato de que as lesões provocadas pelo vírus, como bolhas  e vermelhidão na pele, aparecem mais comumente nas  mãos, nos pés e na boca.

A doença tem esse nome pois provoca lesões nas mãos, nos pés e na boca
A doença tem esse nome pois provoca lesões nas mãos, nos pés e na boca (Foto: Getty Images)

Embora também possa acometer adultos, a doença ocorre com mais frequência em crianças com menos de 5 anos. “As crianças não têm a imunidade completamente formada, como os adultos. Além disso, elas costumam ter mais contaminação cruzada, porque estão sempre muito próximas de outras crianças, seja na escola ou na creche. Por isso as infecções virais são comuns nessa faixa etária”, explica a dermatologista Cíntia Guedes, mãe de Helena. 

Como ocorre a transmissão? 

A transmissão acontece através do contato direto entre as pessoas e as secreções de quem está contaminado com o vírus, podendo ser através da saliva, contato com objetos, alimentos, bolhas que estouraram e ainda com fezes infectadas.

Depois de adquirida, a doença dura geralmente 10 dias, mas mesmo após a recuperação, a pessoa que foi contaminada ainda pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas.

Para as crianças pequenas que, nas creches, estão sempre em contato com outras crianças, a transmissão pode ocorrer de forma muito rápida, com um simples toque ou abraço de um amigo. Oriente seu filho a manter hábito de higiene como não compartilhar copos ou talheres com os colegas e lavar as mãos constantemente.

Principais Sintomas 

Os sintomas começam a aparecer de 1 a 7 dias após a infecção e, na maioria dos casos, são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum: febre, mal estar, falta de disposição. Mas não se engane! Após dois dias do surgimento dos primeiros sintomas, podem aparecer lesões como bolhas nas palmas das mãos e sola do pé, e  grandes aftas na boca, o que causa dor para engolir e pode ocorrer salivação excessiva. Além disso, a região íntima pode coçar também. 

Os sintomas são muitos parecidos com os de um resfriado, mas podem piorar
Os sintomas são muitos parecidos com os de um resfriado, mas podem piorar (Foto: Getty Images)

De acordo com o Ministério da Saúde, alguns sintomas que podem surgir ao contrair a doença mão-pé-boca são: 

  • Febre alta, acima dos 38ºC
  • Dor de cabeça
  • Dor de garganta
  • Muita salivação
  • Vômito
  • Falta de apetite
  • Mal-estar
  • Diarreia

Caso o diagnóstico seja feito logo nos primeiros dias de contaminação, é possível aliviar os sintomas da criança e fazer o tratamento correto.

Tratamento

O tratamento dura cerca de 7 dias e deve ser orientado pelo pediatra ou pelo dermatologista. Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Mas em geral, ela regride espontaneamente depois de alguns dias, assim como ocorre com outras infecções causadas por vírus. Por isso, na maior parte dos casos, tratam-se apenas os sintomas. 

Após o diagnóstico, o ideal é que a criança permaneça em repouso, beba bastante líquido, mantenha a pele hidratada e tenha uma alimentação saudável, apesar da dor de garganta. “Por causa das lesões orais, as crianças sentem muita dor e têm dificuldade para engolir. Procure oferecer alimentos mais pastosos e fáceis de engolir, como sopas, mingaus, purês, além de água e sucos”, sugere Cíntia.

Apesar de o organismo aumentar a imunidade contra a infecção após o contágio, a criança pode pegar a doença mais de uma vez. Por isso é importante manter hábitos saudáveis e conhecer os métodos de prevenção. 

Como prevenir? 

Manter os bons e velhos hábitos de higiene é a principal forma de evitar a contaminação com o vírus. Flávia Oliveira, pediatra e neonatologista da Clínica MedPrimus São Paulo, e mãe de Lucas e Pedro, orienta que a higiene das mãos é fundamental na prevenção de muitas doenças, inclusive nessa. “Deve-se ter atenção especial para isso e orientar as crianças a realizá-la sempre, principalmente após o uso do banheiro.”

Não se esqueça: é fundamental lavar os alimentos da forma correta antes de consumi-los. “A boa higiene das mãos e dos alimentos, além do consumo de água filtrada são importantes para a prevenção da doença”, diz Cíntia. 

Lavar bem as mãos é uma boa forma de evitar contrair o vírus Mão-pé-boca
Lavar bem as mãos é uma boa forma de evitar contrair o vírus Mão-pé-boca (Foto: Freepik)

 Ensine o seu filho a criar o hábito de cobrir a boca e o nariz ao espirrar e tossir, e  lavar as mão após isso. Descarte adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas, para que, caso a criança esteja contaminada, ninguém pegue a doença também.