Chocante: homem que só comia sushi desenvolve solitária de mais de 1 metro

O homem se queixava de dores na barriga quando descobriu o verme, que chegava a mais de 1 metro e meio

Resumo da Notícia

  • Um homem que só comia comida japonesa desenvolveu uma solitária com mais de 1 metro
  • O verme tinha mais de 1,67 metros
  • Ele se queixava de dor intestinal

Comida japonesa virou febre no Brasil inteiro, mas sempre temos que estar alertas com a higiene do local em que escolhemos comer. Principalmente para quem consome peixe cru (sushi e sashimi), a qualidade do peixe e se ele é fresco ou não, são pontos a serem observados.

-Publicidade-

Na última segunda-feira, um norte-americano, que comia sushi todos os dias desenvolveu uma ténia, mais conhecida como solitária. O verme tinha mais de 1,67 metros. Ele se queixava de dor intestinal, que de acordo com Marcelo Filipe Carneiro que é pai de Marcela e Felipe e trabalha na clínica Doktor’s como cirurgião do aparelho digestivo, é um sintoma comum. “Os indivíduos afetados podem apresentar desconforto abdominal, flatulência, diarreia, náuseas, vômitos e emagrecimento”, explica Marcelo.

Chocante: homem que só comia sushi desenvolve solitária de mais de 1 metro
Chocante: homem que só comia sushi desenvolve solitária de mais de 1 metro

Os peixes são contaminados após ingerirem crustáceos infestados por larvas de tênias, e elas se desenvolvem na musculatura dos peixes, que depois de ser consumido por nós, começa a se desenvolver no nosso intestino delgado. Por isso, médicos não recomendam que mulheres grávidas comam peixe cru, em hipótese nenhuma, seja salmão ou qualquer outro peixe. Temos que ter cuidado também com peixes mal cozidos e defumados em temperatura inadequada.

bicho

Após ter uma crise aguda de diarreia, o homem percebeu que tinha o verme. É preciso cuidar quando se há uma suspeita após comer peixe cru, pois sem o tratamento, a pessoa pode vir a óbito. Os vermes prejudicam a absorção de vitamina b12 e em casos mais sérios, pode ocorrer até a obstrução do ducto biliar. O diagnóstico pode ser feito em qualquer laboratório, “é realizado por microscopia mediante detecção de ovos ou proglótes nas amostras de fezes”, completa Dr. Carneiro.