Cientistas americanos dizem que remédio que tratou malária pode curar coronavírus

A droga medicinal é feita de cloroquina, substância retirada de uma árvore. Em coletiva de imprensa, na última quinta-feira, 19 de março, Donald Trump disse que a medicação já foi aprovada nos Estados Unidos

Resumo da Notícia

  • Cientistas americanos descobriram que uma medicação usada para tratar a malária pode ser a solução no tratamento de pacientes com coronavírus
  • A cloroquina é substância retirada de uma árvore que era usada por índios na cura de febre no século 16
  • De acordo com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o medicamento já foi aprovado no país
Sobe o número de casos de coronavírus no Brasil (Foto: Getty Images)

Um medicamento criado em 1940 nos Estados Unidos é a aposta dos americanos para o tratamento de pacientes com coronavírus. A cloroquina, droga medicinal originalmente feita para combater a malária. De acordo com o Correio Brasiliense, a medicação pode receber o aval da Food and Drug Administration (FDA) – órgão que fiscaliza a produção de remédios nos EUA – para ser aplicado em pessoas com Covid-19.

-Publicidade-

Pelo menos três estudos dizem que a substância funciona tanto em laboratório quanto em pacientes humanos. Um deles, até diz que o remédio pode servir de prevenção para o vírus. Na última quinta-feira, Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, comentou que a droga estava aprovada para ser aplicada em pacientes com Covid-19. “Podemos disponibilizar esse medicamento quase imediatamente. Já passou pelo processo de aprovação, foi aprovado. Reduziram muito o tempo, muitos meses”, disse em coletiva de imprensa.

Segundo os estudos, a substância é retirada da casa de uma árvore e costumava ser usado por índios peruanos para curar febre no século 16. Só podemos torcer para que funcione e chegue o quanto antes em todos os países para diminuir os efeitos desta pandemia do coronavírus. No Brasil já são mais de 600 casos confirmados de contaminação pelo vírus e 7 mortes. No mundo todo, são mais de 200 mil casos.

-Publicidade-

-Publicidade-