Cientistas descobrem possível primeiro planeta localizado fora da Via Láctea

Chamado de M51-ULS-1b, o novo planeta estaria localizado a 28 milhões de anos-luz da Terra e seria o primeiro astro descoberto fora da Via Láctea

Resumo da Notícia

  • Cientistas encontraram um possível novo planeta que fica fora da Via Láctea pela primeira vez
  • O nome dado ao astro foi M51-ULS-1b
  • Ele estaria localizado a 28 milhões de anos-luz da Terra

Cientistas podem ter encontrado, pela primeira vez, um planeta situado em outra galáxia. Segundo os astrônomos, o possível astro ganhou o nome de M51-ULS-1b e fica na galáxia de Whirlpool, localizada a 28 milhões de anos-luz da Terra (9,46 trilhões de quilômetros) e fica ao lado de uma estrela “gigante”.

-Publicidade-

Publicado pela revista científica Nature Astronomy, o estudo encoraja que podem haver muitos outros “exoplanetas extragaláticos” a serem descobertos no futuro se a existência do M51-ULS-1b for confirmada. “Nós provavelmente sempre achamos que existiam planetas em outras galáxias. Mas realmente encontrar algo é uma coisa bela, uma lição de humildade”, conta Rosanne Di Stefano, astrofísica e pesquisadora na Universidade de Cambridge, em entrevista divulgada pelo site Science News.

M51-ULS-1b é o nome dado para o possível novo planeta que fica fora da Via Láctea
M51-ULS-1b é o nome dado para o possível novo planeta que fica fora da Via Láctea (Foto: Reprodução/ Pixabay)

Apesar dos cientistas terem encontrado mais de 4.800 novos planetas orbitando estrelas que não são o Sol, todos fazem parte da Via Láctea. A grande dificuldade de encontrar novos astros fora desta galáxia é, principalmente, a distância – isso porque a observação individual delas fica mais complicada porque as estrelas aparentam estarem unidas.

Di Stefano criou uma técnica que permite que novos astros sejam descobertos, mesmo com a enorme distância, e foi dessa maneira que ela e sua equipe puderam encontrar o M51-ULS-1b. Porém, a astrofísica conta que não espera ver novamente o novo astro, já que podem ser passar décadas até que ele se torne visível novamente.