Cólicas na mulher: o que pode ser, tipos, quando a dor não é normal e como aliviar os sintomas

Esse desconforto pélvico não está ligado somente à menstruação – existem muitas outras causas por trás das dores da cólica. É importante ficar de olho na intensidade dela para saber quando procurar um médico e, para aliviar, um estilo de vida saudável é a chave

Resumo da Notícia

  • As cólicas podem ter diversas causas como a menstruação, questões gastrointestinais e urinários ou problemas no órgão reprodutivo
  • É importante ficar de olho na intensidade da dor - quando ela é muito forte ou incapacitante, é necessário buscar ajuda médica
  • O tratamento das cólicas pode ser feito através do uso de bolsa de água quente, remédios e até um estilo de vida mais saudável

As cólicas, cujo principal sintoma são dores pélvicas, normalmente são atreladas à menstruação – mas esse incômodo pode estar relacionado com outros fatores, como questões gastrointestinais, urinárias, ovulação e problemas como miomas, pólipos, síndrome miofascial, endometriose e adenomiose. Quando falamos de cólicas menstruais, existem dois tipos:

-Publicidade-
  • Cólicas primárias: causada pelo próprio aumento produtivo de uma substância sensibilizadora no endométrio;
  • Cólicas secundárias: dor  mais intensa causada por condições patológicas, como a endometriose

A dor da cólica pode ser relativa para cada mulher e varia conforme a percepção dela: pode ser um peso, uma pontada, uma sensação de queimação – cada organismo reage de maneira diferente ao problema, então as sensações não são iguais em todos os indivíduos.

Outros sintomas que acompanham as cólicas

Dores mais agudas, sendo elas mentruais ou não (apesar de essa ser a mais comum), pode estar acompanhadas de outros sintomas:

  • Náuseas
  • Sensação de pressão baixa
  • Mal estar
  • Desmaio
Existem vários fatores que causam as cólicas: menstruação, problemas de saúde, etc (Foto: Getty Images)

Tipos de cólica

Por que a cólica menstrual dói?

Quando falamos de cólica menstrual, a dor existe porque ela é um processo inflamatório do corpo. Essa dor é provocada quando há a liberação da prostaglandina, uma substância que faz com o útero se contraia para eliminar o endométrio.

Quando a dor da cólica não é normal?

As dores da cólica podem ser classificadas como leve, moderada, intensa ou incapacitante. A partir do momento em que ela é muito forte e não permite que a mulher viva as atividades rotineiras dela por causa da dor, tenha muitas náuseas, vomite ou/e desmaie, é possível considerar que ela não é normal. Além disso, a endometriose também é um dos fatores que causam cólicas muito intensas.

Quando procurar um médico?

É necessário buscar ajuda de um especialista para iniciar um tratamento específico e fazer exames investigativos quando as dores da cólica são muito intensas ou incapacitantes. É necessário buscar a causa e entender se existe uma endometriose ou outra doença por trás disso ou se é só uma cólica primária.

É possível aliviar a dor das cólicas com bolsas de água quente e remédios específicos (Foto: Getty Images)

Como tratar e aliviar as cólicas?

  • Fazer exercícios físicos regularmente e não ter uma vida sedentária
  • Ter uma alimentação saudável
  • Uso de analgésicos e anti-inflamatórios (após a indicação do médico)
  • Colocar bolsas e compressas quentes no local da dor

Como é a cólica de ovulação?

Ela é bem parecida com a cólica menstrual. A diferença é que a cólica de ovulação tende a ser mais lateral, enquanto a causada pela menstruação costuma ser mais centralizada no corpo da mulher. Durante a ovulação, às vezes é possível perceber qual trompa está liberando os óvulos – direta ou esquerda.

Cólica na gravidez é normal? 

Sim! Esse é um dos sintomas mais comuns e pode ser confundido com a dor da menstruação. Apesar da semelhança, o sangramento não chega. Essa dor acontece normalmente logo no início da gestação e está relacionada à implantação. 

Fontes: Dr Igor Padovesi, Ginecologista e Obstetra da USP e do Hosp. Albert Einstein, colunista e embaixador da Pais&Filhos, e pai de Beatriz e Guilherme (www.igorpadovesi.com.br).