Como evitar que seu filho engasgue com comida e peças de brinquedo

A asfixia é uma das principais causas de fatalidades entre crianças. Felizmente, existem maneiras de evitar que o pior aconteça e garantir que o seu filho fique seguro

Resumo da Notícia

  • A asfixia por engasgamento é responsável por 34 acidentes por dia nos EUA
  • As crianças podem engasgar com comidas e também com pequenos objetos
  • Existem algumas dicas de posições e alertas que podem evitar acidentes do tipo
  • Também é importante que você saiba fazer as manobras de primeiros-socorros em casos de emergência

Em uma manhã ensolarada de março, o filho de 2 anos de Tara Chazen estava engatinhando no jardim do vizinho enquanto mastigava um biscoito de água e sal quando um pedaço do alimento ficou preso em sua garganta. Chazen estava no trabalho aquela hora, e quando a babá percebeu que algo estava errado – menos de um minuto depois – o fragmento de bolacha havia se movido da traqueia em direção ao pulmão. O rosto do menino ficou roxo e ele caiu no chão na hora, inconsciente. Uma ambulância chegou enquanto a babá tentava algumas manobras para fazer o bebê desengasgar. Quando Chazen chegou ao hospital e olhou para o filho – pálido e imóvel, respirando com ajuda de um ventilador – ela pensou que ele estava sem vida. Foi difícil acreditar que um simples lanche tinha causado toda aquela situação.

-Publicidade-
34 crianças são hospitalizadas por dia nos EUA por causa de engasgos (Foto: Unsplash)

Infelizmente, a cada cinco dias uma criança perde a vida depois de engasgar com comida nos Estados Unidos, e 34 crianças vão parar diariamente na emergência pelo mesmo motivo, segundo levantamento da Parents. E cerca de 60% desses incidentes acontecem com crianças menores de 6 anos. E claro, o problema é ainda maior, já que muitas não chegam a ir para o hospital por esse motivo. Aproximadamente  ⅔  das fatalidades com objetos (de itens como balões, moedas, brinquedos de plástico, e baterias) ocorrem em crianças menores de 4 anos. Como a via aérea de uma criança é pequena, pode ser mais obstruída mais facilmente do que a de um adulto, segundo Michael W. Cater, M.D., pediatra da St. Joseph Hospital em Orange, Califórnia.

O pulmão do filho de Chazen ficou cheio de fluido e perigosamente inflamado, deixando os médicos preocupados com possíveis danos cerebrais causados pela falta de oxigênio. Mas milagrosamente, o garotinho se recuperou totalmente após algumas semanas internado. Hoje, com saudáveis 3 anos, ele continua brincando no jardim do vizinho. Compreensivelmente, Chazen ainda se abala ao lembrar da  experiência. “Eu sei que deveria ser capaz de desviar o olhar quando ele está brincando, mas não consigo”, diz ela.

-Publicidade-

Seria impossível, sem mencionar a crise de ansiedade que isso acarretaria, controlar o caminho de cada coisa que seu filho coloca na boca, mas isso não significa que você não está se esforçando para deixá-lo seguro. Para isso, especialistas criaram uma maneira inteligente para evitar esse tipo de acidentes com bebês e crianças.

Regras para a hora da refeição

  • Insista em uma boa postura

Se sentar em uma cadeira alta com encosto firme é uma ótima opção, mas para o seu filho fazer uma refeição com segurança, os pés devem estar apoiados em algo – até mesmo se for improvisado, como uma caixa de cereal colada, diz Melanie Potock, uma pediatra especialista em alimentação. Pense em quão vulnerável você se sente quando está em um banco de bar e seus pés ficam balançando.

  • Deixe a bandeja do cadeirão de lado

Em vez disso, puxe a cadeira alta até a borda de sua mesa. Isso vai manter a comida de frente a criança, e você pode observá-la mais de perto, além de impedir que ela vire o corpo  demais para a esquerda ou para a direita –  o que pode fazer com que ela perca o controle da comida que está na boca.

  • Forneça talheres

Garfos, colheres e até hashi – todos eles ajudam as crianças a comer devagar porque são desafiadores de usar. “Comer com as mãos torna mais fácil para uma criança colocar muita comida na boca de uma  só vez”, diz Potock. Mesmo uma criança sendo desmamada pode aprender a usar uma colher ou garfo de tamanho infantil. E claro, cuide do seu filho com cuidado enquanto ele come, independentemente de que tipo de utensílio ele está ou não está usando.

É importante preparar a comida de maneira certa para evitar os engasgos (Foto: Unsplash)
  • Sirva molhos

Alimentos como guacamole e homus ajudam as torradas e chips a escorregarem para baixo de um jeito um pouco mais fácil.

  • Ensine seu filho a não falar com a boca cheia

“Crianças são mais propensas a respirar enquanto comem dessa forma”, diz Potock. Até mesmo uma criança muito pequena pode aprender a levantar um dedo quando está comendo para mostrar que ela precisa de um minuto. Isso também vai ajudá-la a aprender a comer de maneira mais natural e lenta.

  • Limite as distrações

Tente não deixar seu filho comer na frente de uma tela. “Crianças deve estar atentas quando elas estão mastigando ”, diz Potock. “Tenha uma hora designada para comer e sente-se para isso.”

  • Cuidado no carro

O movimento irregular do veículo pode empurrar muita comida na garganta da criança enquanto sua atenção está na estrada em vez de no seu filho. “Para diminuir esse risco, ofereça alimentos que derretem rapidamente, dissolvem ou esfarelam – e certifique-se de que seu filho tenha o autocontrole para não empurrar uma bisnaguinha inteira na boca dele de  uma vez ”, diz Alisa Baer, ​​M.D., pediatra e co-fundador do The Car Blog da Seat Lady. “O risco de asfixia aumenta quando uma criança está com a boca muito cheia para mastigar e engolir adequadamente”.

  • Prepare os alimentos com cuidado

As crianças ainda estão aprendendo como comer. Aos 18 meses, eles têm molares para ajudar a mastigar e moer a comida, mas eles não são profissionais em fazê-lo. Na verdade, crianças não dominam verdadeiramente a mastigação até os 4 anos de idade. Mesmo que tentem o seu melhor para tossir um pedaço grande de comida que está engasgado, ele pode não ser capaz de fazer tanta força”, diz o Dr. Cater.

Cachorros-quentes são responsáveis por 17% dos casos de engasgamento em crianças com menos de 10 anos nos EUA

Alimentos redondos e duros, pegajosos, secos ou complicados para pequenas línguas manipularem podem se alojar em vias aéreas infantis. A Academia Americana de Pediatra listou os alimentos mais perigosos para a asfixia, incluindo doces gelatinosos, cachorros-quentes, pedaços de carne, pedaços de vegetais crus, nozes e sementes, pedaços de queijo, pedaços de manteiga de amendoim, pipoca, uvas inteiras e goma de mascar. Enquanto alguns alimentos devem ser totalmente evitados, como nozes, sementes, cenouras cruas e pipoca, outros podem ser preparados de maneira segura alterando tamanho ou textura. Se você está lidando com bebês, corte a comida em pedaços do comprimento e largura de um dedo mindinho adulto, e certifique-se de que esteja macio o suficiente para quebrar facilmente entre o seu polegar e indicador.

Regras para a hora da brincadeira

  • Veja o que seu filho vê

Abaixe-se de joelhos e olhe para sua casa da perspectiva do seu filho. Faça isso com frequência, não apenas uma vez”, aconselha Colleen Driscoll, diretor executivo da Associação Internacional para Segurança para crianças. Isso vai ajudar você a perceber os riscos antes dos seus filhos, como um clipe de papel ou uma tachinha ao alcance dele. “Como regra geral, qualquer objeto menor que o punho da criança é um perigo ”, diz Danelle Fisher, M.D., presidente do centro de  pediatria de São João, em Santa Monica, Califórnia.

  • Fique por dentro das coisas dos irmãos mais velhos

Organize os brinquedos das crianças grandes separadamente das coisas do seu filho mais novo. Verifique frequentemente se existem peças quebradas ou faltando, como dardos, flechas, ímãs, e baterias de botão – todas as coisas que poderiam acabar na boca de uma criança. Pequenos brinquedos, particularmente esféricos como bolinhas de gude, também são grandes perigos. Balões são de longe os piores: eles são a principal causa de asfixia e fatalidades em crianças menores de 6 anos. “Pedaços não inflados e rasgados confundem às vias aéreas e formam um selo hermético ”, diz Tuan Nguyen, M.D., assistente diretor médico da Orange Coast Memorial Medical Pavilhão de Emergência do Centro, em Fountain Valley, Califórnia.

A hora da brincadeira também deve ser controlada para evitar acidentes (Foto: Unsplash)
  • Tire o bebê do berço

Nenhuma casa é perfeita 24/7, especialmente quando você tem uma criança. “Mas você pode manter uma ‘zona infantil’ segura”, diz Susan Baril, vice-presidente da Safe Beginnings, Inc. “Instale portas de segurança para mantê-lo fora das salas que contém riscos de sufocamento e outros itens inseguros, como um quarto de um irmão mais velho ou um escritório em casa”.

  • Junte moedas soltas por aí

Tire as moedas para fora de seus bolsos quando você voltar para casa, e encontre um local seguro para deixá-las, livre do alcance dos pequenos – que tal fazer um cofre?

  • Mantenha as bolsas fora do caminho

Em vez de largar a sua bolsa ou mochila na porta da frente, coloque esses objetos em algum lugar fora dos limites, como uma prateleira alta ou em um armário do corredor. O conteúdo que vai dentro dela – brilho labial, moedas, pastilhas para tosse, tampas de caneta, e assim por diante – são arriscados demais para cair no chão.

Tire suas dúvidas sobre primeiros-socorros

  • Como vou saber se meu filho está sufocando?

Ele não será capaz de tossir, falar, chorar ou respirar. Se seu filho pode tossir, incentive para ele continuar tossindo. Em alguns casos, uma criança ou um bebê com uma via aérea obstruída pode ser capaz de retirar o objeto desta forma.

A asfixia é uma das principais causas de acidentes infantis (Foto: Reprodução / Parents)

Se a criança estiver consciente, fique de pé ou ajoelhe-se próximo a ela. Em seguida, incline-se para a frente e apoie a parte superior do corpo dela com o braço. Use a parte de dentro do pulso para dar cinco golpes rápidos e firmes entre o umbigo e o esterno. O movimento deve ser para cima e para dentro, impulsionando até que seu filho comece a tossir, chorar ou respirar.

  • E com bebê, como desengasgar?

Nunca faça esse tipo de força em um bebê com menos de 1 ano. Em vez disso, coloque-o de bruços sobre seu antebraço e segura sua cabeça, firmando a mandíbula com uma mão. Dê cinco golpes rápidos e firmes nas costas, entre as omoplatas.  Se não tiver sucesso, repita o processo no peito: coloque dois ou três dedos no centro, logo abaixo do mamilo, e aperte seu esterno. Repita cinco vezes até o item ser expelido.

  • O que posso fazer se meu filho perder a consciência?

Peça a alguém para ligar para a emergência. Em seguida, deite a criança de costas em uma superfície plana e inicie a RCP. Faça 30 compressões empurrando forte e rápido com mãos sobrepostas, dedos entrelaçados no meio do peito, visando uma taxa de 100 compressões por minuto. A seguir, olhe dentro da boca. Se você pode ver um objeto, remova-o, mas não coloque o dedo se você não consegue enxergar nada. Depois disso, é hora de fazer duas respirações de resgate: feche seu nariz e sele a boca com a sua, soprando ar o suficiente para fazer o peito dela subir. Repita essas etapas até que seu filho comece a respirar sozinho ou até que a ajuda chegue.

Alimentos que podem ser perigosos para crianças de 1 a 5 anos:

  • Uvas: elas variam muito de tamanho, então cortar pela metade ainda pode ser arriscado. O melhor é separar em quatro pedaços.
  • Maçã: Fatie em pedaços de 2 centímetros. Não existe problema em manter a casca.
  • Hot-dogs: Nunca sirva um cachorro-quente inteiro. Ele deve ser cortado ao meio, e, em seguida, cortado em pedaços ainda menores (se seu filho não se sentar direito para comer, continue fazendo isso até pelo menos os 7 anos de idade).
  • Vegetais duros: Cozinhe ou refogue para deixar macio e depois corte na largura de uma vagem.