Família

Conheça a família Politano Savioli: “Assim que um bebê chega, uma família também nasce”

Após recorrer a tratamentos para engravidar, o casal teve uma surpresa inesperada

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Bruno Marçal)

Camila tem 7 meses (Foto: Bruno Marçal)

A vida com filhos é uma viagem sem volta. No momento que a gravidez é descoberta, o mundo do casal se transforma em um piscar de olhos. Os filhos passam a ser pais, os pais passam a ser avós, e a casa ganha mais alegria, som e cores. Com a chegada de Camila, de 7 meses, a família Politano Savioli vivenciou todas essas mudanças e hoje tem uma rede de apoio cheia de carinho e cumplicidade.

Joyce e Gabriel se conheceram há 12 anos durante o Carnaval da cidade de Serra Negra. A amizade foi para São Paulo, se transformou em namoro e, mais tarde, casamento.

Ela sempre teve o sonho de ser mãe, mas acabou prorrogando a gravidez em meio à carreira e a vida de casal. Quando eles começaram as tentativas, não tiveram sucesso e precisaram recorrer aos tratamentos. “Os médicos falaram que a gente não podia mesmo ter filho. Eu cheguei até a perder as esperanças”, lembra Joyce.

Em 2010, o casal foi morar na China a trabalho e ficaram por lá durante um ano e meio. Pouco tempo depois de receber a notícia de que precisaria fazer uma inseminação artificial ou fertilização in vitro para ter filhos, Joyce ganhou um presente ao engravidar naturalmente. “Foi uma grande e linda surpresa. Como já tinha desistido e acreditei que não conseguiria ser mãe sozinha, por vias naturais, a Camila é um verdadeiro milagre”.

(Foto: Bruno Marçal)

A bebê nasceu no dia seguinte da mudança para o novo ap (Foto: Bruno Marçal)

O casal decidiu voltar ao Brasil para ter uma gestação tranquila, já que a comunicação com os médicos era mais complicada. Apesar da gravidez calma, Camila é animada desde a barriga da mãe. “Ela sempre pulou e mexeu muito no útero. Curtimos bastante essa fase, foi muito gostoso”, Joyce lembra.

Nasce um bebê, nasce uma família

A chegada de Camila foi uma reviravolta na vida de todos. Joyce e Gabriel decidiram morar em um novo apartamento e a bebê nasceu logo no dia seguinte à mudança. “Era uma casa nova, um lar novo, um bebê recém-nascido e uma rotina completamente diferente”, conta o pai.

Eles viveram aflições comuns de pais de primeira viagem, desde não saber como limpar o bumbum da bebê, até o medo de doenças. “Tivemos aquele baque no começo e o primeiro mês foi desesperador. A gente foi se conhecendo
como pais e entendendo a Camila aos poucos”. Mas assim que um filho chega, a família também nasce: eles perceberam a importância de ter uma rede de apoio e receberam muita ajuda das mães, Rita e Inez.

As avós dedicaram todo o tempo necessário para amparar a menina e os pais da melhor forma, desde os cuidados básicos com um recém-nascido, até o apoio para uma mulher que se descobre como mãe de um dia para o outro. “É muito importante ter por perto pessoas que dão atenção às mães também. Elas cuidaram muito de mim, deram todo o suporte e deixaram eu cuidar da bebê do meu jeito, com as minhas escolhas”, conta Joyce.

(Foto: Bruno Marçal)

Joyce não conseguiu amamentar (Foto: Bruno Marçal)

Em meio às dificuldades, ela também teve momentos de culpa. “A amamentação foi a parte mais difícil pra mim. Fiquei 3 meses na luta porque queria muito poder amamentara Camila, mas não deu certo. Quando aceitei isso, ela cresceu e se desenvolveu da melhor forma”. E para Rita, mãe de Gabriel, a maternidade é se doar além do imaginado, fazer concessões e abrir mão de suas vontades – como fez sua nora. “Ser mãe é muita renúncia também. Temos que abdicar de muitas coisas pelo bem dos filhos”.

Além da fase da amamentação, Joyce passou por dificuldades ao conciliar a maternidade com o trabalho, já que