Família

Donos do Grupo Curumim, família Sanchez conta como é o dia a dia deles: “A gente não tem um dia igual ao outro”

Thiago, Tiemi, Victor e Isabella mostram pra gente que a diversão em família é garantida

Marina Paschoal

Marina Paschoal ,Filha de Selma e Antônio Jorge

A família Sanchez é: Thiago, Tiemi, Victor, de 9 anos, e Isabella, de 3 (Foto: Gustavo Morita)

Diversão é a palavra de ordem na casa da família Sanchez, que faz tudo (mesmo!) juntos. Thiago e Tiemi provam que o combustível para a vida é o amor dos filhos seja como, onde e quando for – desde que estejam felizes.

Em meio à correria típica de São Paulo, em uma rua arborizada de Osasco, fica o apartamento da família Sanchez. Por lá, o clima é de férias independente do dia da semana e da época do ano – e isso graças tanto aos brinquedos de Victor, de 9 anos, e Isabella, de 3, quanto aos espíritos de criança do casal Thiago e Tiemi, que estão à frente do Grupo Curumim, empresa de animações e eventos infantis. Para completar, o condomínio conta com parque, tanque de areia, quadra e muitas outras crianças para aproveitar.

De cara, dá para sacar que brincar é a regra da casa: o espaço da varanda que era reservado para churrasqueira deu lugar aos tapetes emborrachados, mesa de atividades, bonecas, beyblades e caixas recheadas de brinquedos. É por lá ou na área de lazer do prédio que os irmãos ficam quando não estão na escola, aulas extracurriculares ou, claro, em um dos espaços da empresa dos pais. Seja onde for, uma coisa é certa: eles sempre estão juntos e se divertindo.

Essa história começou há anos, quando Thiago trabalhava como animador de festas infantis para completar a mensalidade da faculdade. Por conta do seu jeito atencioso e divertido, ganhou destaque na empresa que hoje é sócio. E foi graças à essa personalidade bem particular que ele “ganhou” Tiemi também, que já era mãe de Victor. “Eu era recreador, então ele me amava! Até paguei um micão uma vez: subi no palco do show da Galinha Pintadinha para competir com outros pais quem dançava melhor. Mas valeu à pena”, lembra.

O casal se conheceu por amigos em comum durante uma viagem para Maresias. “A gente ficou na mesma casa e turma. Começamos lá e quando voltamos para São Paulo não nos largamos mais”, ele conta. Nessa época, Victor ainda era muito pequeno e, por isso, a relação deles foi construída com muito amor e carinho. “Ele tinha pouco mais de 2 anos, então a relação entre ele e o Thiago é como se fosse de pai e filho mesmo”, Tiemi confirma.

“A relação deles foi construída com muito carinho e amor” (Foto: Gustavo Morita)

Sempre cabe mais um
Thiago, apesar da ótima relação com crianças e de ter adotado o menino como seu filho, sempre sonhou com a paternidade. “Eu esperei a vida inteira para ser chamado de pai por uma criança”. Foi então que o casal decidiu aumentar a família e Isabella chegou. “Depois disso minha vida mudou. Ela é o fruto de nós dois, do nosso amor. Me considero um paizão”.

E como todo irmão mais velho, para Victor não foi muito fácil perder o posto de filho único. Por sorte, os pais sabem como lidar com o ciúme e procuram dividir tempo, dedicação e carinho. Esse sentimento não tem vez na casa da família Sanchez. “Percebemos a necessidade dele de ter um tempo de atenção só pra ele, depois disso ficou mais fácil. Agora estamos nos preparando para dar um passo maior, queremos aumentar a família ano que vem”.

Segunda casa
Por conta da empresa, o dia a dia do casal é bem flexível, o que permite que eles curtam o tempo livre das crianças que, diferente deles, têm horários bem regrados. “A gente não tem um dia igual ao outro e como a nossa vida é muito bagunçada, não queríamos que a das crianças também fosse, achamos importante eles terem rotina”, ela explica.

Por isso, eles contam com uma babá e uma ajudante em casa como rede de apoio. Assim, eles garantem que os horários das aulas, das refeições, de fazer a lição de casa e de brincar, claro, sejam cumpridos. Mas entre uma atividade e outra e principalmente durante as férias, o lugar preferido deles é o trabalho dos pais. “O espaço Curumim é a segunda casa deles, porque a gente passa muito tempo lá e eles nos acompanham. Enquanto a gente trabalha, eles brincam, se divertem. Às vezes eles até querem nos ajudar, saem arrumando e organizando as coisas”, Tiemi conta.

Tiemi e Victor fazendo atividades juntos (Foto: Gustavo Morita)

Juntos, seja como for
E apesar do quadro das crianças cheio de tarefas, eles sempre arrumam um jeito para ficar perto dos filhos. “Pelo menos uma vez na semana a gente trabalha de casa pra poder estar perto deles e participar das atividades. O Victor e a Isabella são a minha motivação”, ela conta. “A gente faz tudo junto mesmo. Quando temos eventos em acampamentos ou colônias de férias, por exemplo, aproveitamos para levá-los. Temos essa facilidade deles participarem do nosso trabalho e faz toda a diferença”.

E se os fins de semana são livres, o programa é reunir a família inteira – mesmo! Eles dois são os mais velhos de seus irmãos: ela, de três e ele, seis. Atualmente, essa galera ainda é somada aos agregados, filhos e enteados. Seja no condomínio deles, na casa de Itu, dos pais dele, ou no sítio em Ibiúna, dos parentes dela, eles estão sempre juntos. “A gente é muito unido com a nossa família, nos encontramos sempre e esse é um dos valores que procuramos passar para as crianças”, Tiemi conta.

A diversão de pai e filha é garantida! (Foto: Gustavo Morita)

Para ele, estar perto dos filhos é uma necessidade, é como recarregar as energias da vida corrida. “Eu sempre quis ter filhos, até quero mais – eu queria mais uns dois! Por mim teria a casa cheia de crianças brincando para lá e para cá. É tão bom ser pai, é tão bom ter família, é incrível”, ele finaliza.

Família é tudo de bom! (Foto: Gustavo Morita)

Leia também:

Família deixa tudo para trás e muda de país: “Passamos por muitos perrengues”

Mãe explica sua “família misturada” para a filha e o relato emociona

“O amor de família é uma força irracional”, afirma Marcos Piangers