Conquista! Mãe e filha autista passam juntas no vestibular após 1 ano de estudos em casa

As duas ficaram todas as tardes revendo as matérias juntas durante a pandemia e o resultado não poderia ser melhor

Resumo da Notícia

  • Mãe e filha autista passam juntas no vestibular
  • As duas ficaram estudando juntas todas as tardes por 1 ano
  • O resultado não poderia ser melhor
  • Além de entrar na universidade, as duas passaram entre as melhores da lista

Elizandra Sila de Moura, de 47 anos, voltou a estudar depois de mais de 20 anos longe dos cadernos para conseguir realizar um sonho e ajudar a filha, Eloisa Elena Silva de Moura Lima, de 18 anos, que é autista, a se preparar para o vestibular. Durante todo o ano de 2020, apesar da pandemia, as duas se uniram para estudar todas as tardes, reforçando os “pontos fracos”, fazendo simulados online e trocando ideias sobre redação.

-Publicidade-
Mãe e filha autista fazem vestibular juntas e entram em universidade (Foto: reprodução G1)

As duas fizeram o vestibular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em janeiro e o resultado, que saiu na última sexta, 5 de março, fez todo o esforço valer a pena! As duas não só entraram na universidade, mas como passaram entre as melhores colocadas. A mãe ficou em quarto lugar para o curso de Geografia e a filha em segundo para Farmácia.

No dia seguinte a divulgação do resultado, elas fizeram a pré-matrícula e agora se preparam para o inicio do ano letivo, no dia 11 de março. “Eu tive oportunidades de prestar vestibular em outros lugares, mas sempre quis a UFMS porque moro perto. Peguei o edital e foquei no que mais tinha dificuldade. Minha mãe, que é uma mulher batalhadora e que sempre correu atrás dos seus objetivos, queria retomar os estudos. Nós então nos dedicamos e agora vamos entrar juntas na faculdade”, contou Eloisa Elena, em entrevista ao G1.

Para a garota, o sonho de entrar em uma faculdade parecia distante de ser realizado enquanto ela estava no ensino médio, mas a família a ajudou a entender que o autismo não era um impedimento para que ela cursasse um ensino superior.  “Eu sempre ouvi da boca das pessoas e criei pensamentos errados na minha cabeça. Diziam que autista não entra no mercado de trabalho. Na época da escola, este era o meu estereótipo. Estava realmente desgastada nessa época, só que ainda assim tinham pessoas que acreditavam em mim, como minha família e professores”, contou.

Mãe e filha passam juntas no vestibular (Foto: reprodução G1)

Atualmente, a garota não só está realizando o próprio sonho, mas como está aproveitando essa conquista ao lado da mãe, que também não tinha tido a oportunidade de fazer uma faculdade quando mais nova, por ser de uma família muito humilde e ter engravidado cedo. “Parei o ensino médio com 16 anos, então ela se dedicou em mostrar os pontos chaves, em como fazer o melhor em uma boa redação”, se orgulhou a mãe, agradecida dos esforços da filha.