Coqueluche: tire suas dúvidas sobre a doença e saiba como proteger o bebê ainda no útero

Para falar sobre a importância da imunização materna na prevenção de doenças, a Pais&Filhos se juntou com a GSK para o Encontro Coqueluche: Proteção de Mãe para Filho

(Foto: Getty Images)

Quando o teste de gravidez dá positivo, além da alegria e ansiedade, uma imensidão de dúvidas e preocupações aparece na cabeça dos futuros pais. Quais exames eu preciso fazer? Será que meu bebê está se desenvolvendo e crescendo bem? Como será na hora do parto?

-Publicidade-

Em meio a tantas perguntas, também é essencial se preocupar em colocar a caderneta de vacinação em dia durante a gestação. Afinal, existem vacinas que são especialmente recomendadas para as mulheres grávidas, que além de protegerem a mãe, podem ajudar a proteger o bebê durante os primeiros meses de vida contra doenças como a difteria, tétano, coqueluche, gripe e hepatite B.1-4

Para falar sobre a importância da imunização materna na prevenção de doenças, a Pais&Filhos se juntou com a GSK para o Encontro Coqueluche: Proteção de Mãe para Filho. No dia 15 de agosto, em que é comemorado o Dia da Gestante, Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos, comandou o bate-papo com Dr. Igor Padovesi (CRM-SP 134.933), ginecologista e obstetra, nosso colunista e pai de Beatriz e Guilherme, e Dra. Bárbara Furtado (CRM-RJ: 72109-3), pediatra, gerente médica de vacinas da GSK, mãe de Henrique e Rafael. Os especialistas responderam às principais dúvidas das mães em relação à vacinação da gestante e proteção da coqueluche. Confira:

-Publicidade-

O que é a coqueluche?

“É uma doença infecciosa, respiratória e altamente contagiosa, causada por uma bactéria, chamada Bordetella pertussis, que pode ser transmitida de pessoa para pessoa. A bactéria causa uma inflamação no sistema respiratório, que pode provocar os principais sintomas, como a tosse, que é a principal característica da coqueluche”, explica Dra. Bárbara Furtado.

Quais vacinas são recomendadas para as gestantes?

“Pelo calendário vacinal do Ministério da Saúde, todas as gestantes que não foram imunizadas para hepatite B devem receber a vacina. A outra vacina é a de Influenza, que protege as grávidas contra a gripe e, por último, a vacina dTpa, que previne da difteria, tétano e coqueluche, que deve ser repetida a cada gestação”, explica Dr. Igor Padovesi.

(Foto: Getty Images)

Como funciona a imunização materna?

“As grávidas respondem muito bem às vacinas. Eu costumo dizer que a mulher é uma fábrica de anticorpos durante a gravidez. O anticorpo é uma das linhas de defesa que a gente tem contra as doenças infecciosas. No momento em que fazemos a vacina na mulher grávida, ela começa a produzir muito anticorpo. A partir da 13ª semana de gestação, ela começa a transmitir esses anticorpos pela placenta ao bebê, assim como transfere os nutrientes e o oxigênio. A ideia da imunização materna é que o bebê nasça protegido com anticorpos, para ajudar nesse período em que ele é mais suscetível e tem uma defesa diminuída: os primeiros 6 meses de vida”, explica Dra. Bárbara Furtado.

Qual a importância de vacinar também quem vai estar em maior contato com bebê após o nascimento?

“Desde que os casos de coqueluche voltaram a surgir no Brasil, a partir de 2010, começamos a orientar que não só a gestante fosse vacinada, mas também quem está próximo do bebê. Isso porque quem quase sempre passa a doença ao bebê são os contactantes, as pessoas que estão dentro de casa. Para essa vacina especialmente, é muito importante que o pai, os irmãos, os avós e a babá também atualizem a caderneta de vacinação”, explica Dr. Igor Padovesi.

Manter bons hábitos de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, também podem ajudar na proteção contra a coqueluche. Consulte seu médico.5

(Foto: Getty Images)

Para conferir o bate-papo completo com os especialistas e saber quais são as outras formas de prevenção contra a coqueluche, assista à live do Encontro Coqueluche: Proteção de Mãe para Filho.

Referências:

1. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Calendário de vacinação SBIm gestante: Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) – 2019/2020 (atualizado até 28/04/2019). Disponível em: <https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-gestante.pdf>. Acesso em: 21 ago. 2019

2. Ministério da Saúde. Calendário Nacional de Vacinação. 2019. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/jpg/2019/marco/22/Calendario-de-Vacinacao-2019-Atualizado-Site-22-03-19.jpg>. Acesso em: 21 ago. 2019.

3. FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Programa Vacinal para Mulheres. São Paulo: FEBRASGO, 2017. 170p.

4. SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES. Vacinação gestante: sucesso de proteção para mãe e filho. 2018. Disponível em: <https://vacinasparagravidas.com.br/public/docs/guia-da- vacinacao.pdf>. Acesso em: 21 ago. 2019.

5. CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Pertussis (Whooping cough). Prevention. 2017. Disponível em: <https://www.cdc.gov/pertussis/about/prevention/index.html>. Acesso em: 27 ago. 2019.

Material dirigido ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico.

NP-BR-BOO-WCNT-190004 – AGOSTO/2019

Leia também:

Coqueluche: a importância de vacinar quem cuida do bebê antes mesmo do nascimento

Vacinação na gravidez: entenda a importância da imunização para proteger o seu filho ainda no útero

Gravidez: vacinas que você precisa tomar

    -Publicidade-